Em Cristo estão escondidos todos os tesouros da sabedoria e do conhecimento. (Colossenses 2:3)

Ninguém vos engane com palavras vãs; porque por essas coisas vem a ira de Deus sobre os filhos da desobediência.(Efésios5:6)
Digo isso a vocês para que não deixem que ninguém os engane com argumentos falsos. (Colossenses 2:4)

21 de setembro de 2015

A Verdadeira e a Falsa Humildade




" O homem verdadeiramente humilde não espera encontrar virtude em si mesmo"

A humildade é algo absolutamente indispensável para o cristão. Sem ela, não pode haver conhecimento de si mesmo, nem arrependimento, nem fé, nem salvação. As promessas de Deus são dirigidas aos humildes; o homem orgulhoso, com seu orgulho perde o direito a todas as bênçãos prometidas aos humildes de coração, e não pode esperar da mão de Deus outra coisa senão juízo. Contudo, não devemos esquecer que há uma falsa humildade que se distingue da real, e que no geral existe entre os crentes, sem que se deem conta de que é falsa.

A humildade verdadeira é algo saudável. O homem humilde aceita que se lhe diga a verdade. Ele crê que em sua natureza caída não habita bem nenhum. Reconhece que, separado de Deus, não é nada, não tem nada, não sabe nada, nem pode fazer nada. Mas esse conhecimento não o desanima, porque também sabe que, em Cristo, ele é alguém. Sabe que para Deus ele é mais precioso que a menina dos seus olhos, e que pode todas as coisas por meio de Cristo, que o fortalece; ou seja, pode fazer tudo o que está dentro da vontade de Deus que ele faça.

A pseudo humildade é, na realidade, simplesmente orgulho com outra cara. Faz-se evidente na oração do homem que se condena diante de Deus como fraco, pecador e néscio, mas que se ofenderia e lhe causaria raiva se sua esposa dissesse essas mesmas coisas dele. Não é que esse homem seja necessariamente um hipócrita. A oração de auto condenação pode ser completamente sincera, como também o pode ser sua defesa própria, embora ambas pareçam contradizer-se mutuamente. A semelhança entre as duas é que ambas nasceram dos mesmos pais: o pai é o amor próprio e a mãe é a confiança em si mesmo.

O homem cheio de autoestima espera de forma natural grandes coisas de si mesmo, e se sente amargamente desanimado quando fracassa. O crente que tem autoestima tem os mais elevados ideais morais: chegará a ser o homem mais santo de sua igreja, se não o mais santo de sua geração. É possível que fale da depravação total, da graça e da fé, enquanto ao mesmo tempo inconscientemente está confiando em si mesmo, promovendo-se a si mesmo e vivendo para si mesmo. Como tem aspirações tão nobres, qualquer falha em alcançar seus ideais o enche de desânimo e desgosto. Vem, então, a dor da consciência, que ele erroneamente interpreta como evidência de humildade, mas que na realidade só é uma amarga negativa de perdoar-se a si mesmo por haver caído da alta opinião que tinha de sua própria pessoa.

Às vezes se pode traçar um paralelo com a pessoa do pai orgulhoso e ambicioso que espera ver no filho o tipo de homem que ele havia esperado ser e não é, e que quando o filho não vive de acordo com suas expectativas não quer perdoá-lo. A dor do pai não vem do seu amor pelo filho, mas de seu amor por si próprio. O homem verdadeiramente humilde não espera encontrar virtude em si mesmo, e quando não a encontra, não se desanima. Ele sabe que qualquer boa obra que poderia fazer é resultado da obra de Deus nele, e se é obra própria sua sabe que não é boa, por melhor que pareça. Quando essa crença se torna parte desse homem, algo que opera como uma espécie de reflexo subconsciente, ele se vê liberto do peso de viver segundo a opinião que tem de si mesmo. Pode descansar e contar com o Espírito para que cumpra a lei moral em seu íntimo. Muda-se o centro de sua vida, do ego para Cristo, que é onde deveria Ter estado desde o princípio, e assim se vê livre para servir a sua geração de acordo com a vontade de Deus, sem os milhares de empecilhos que antes tinha. Se um homem assim falha para com Deus de alguma forma, lamenta-o e se arrepende, mas não passa os dias castigando-se a si mesmo por seu fracasso. Dirá com o Irmão Lourenço: "Nunca poderei agir de outra forma se me deixas só; Tu és aquele que deve impedir minha queda e emendar o que é mau", e depois disso "não continuará se torturando pelo acontecido". Quando lemos sobre a vida e os escritos dos santos, é que a falsa humildade mais entra em ação. Lemos Agostinho e percebemos não ter sua inteligência; lemos Bernardo de Claraval e sentimos um calor em seu espírito, que não encontramos em nosso próprio em um grau que sequer se lhe assemelhe; lemos o diário de George Whitefield e temos de confessar que comparados com ele somos simples principiantes, noviços espirituais, e que apesar de nossas "vidas tão supostamente ocupadas" vemos muito pouco ou nada realizado. Lemos as cartas de Samuel Rutherford e sentimos que seu amor por Cristo ultrapassa tanto o nosso, que seria estupidez sequer mencioná-los ao mesmo tempo. É então que a pseudo humildade começa a trabalhar em nome da autêntica humildade e nos leva até o pó numa confusão de auto compaixão e auto condenação. Nosso amor próprio se volta contra nós mesmos e com grande azedume nos joga em rosto nossa falta de piedade. Sejamos cuidadosos com isso. Aquilo que achamos ser penitência pode facilmente ser uma pervertida forma de inveja e nada mais. É possível que simplesmente estejamos invejando esses poderosos homens, e desanimemos de chegar a ser como eles, imaginando que somos muito santos porque nos sentimos humilhados e desanimados.

Tenho conhecido duas classes de crentes: os orgulhosos que se consideram humildes, e os humildes que têm medo de ser orgulhosos. Deveria haver outra classe: os desesperados de si mesmos que deixam todo o assunto nas mãos de Cristo, e se negam a gastar o tempo tentando fazer-se bons. Serão esses os que alcançarão o alvo, e bem antes que os demais.

 
FONTE:
A. W. Tozer : Extraído do livro “God Tells the Man Who Cares” 
Extraído do livro “God Tells the Man Who Cares”, capítulo 33.
Tradução: Helio Kirchheim
 
 
 
 
 
 

Um comentário:

  1. Thank you for the post. For more on George Whitefield, I would like to invite you to the website for the book series, The Asbury Triptych Series. The trilogy based on the life of Francis Asbury, the young protégé of John Wesley and George Whitefield, opens with the book, Black Country. The opening novel in this three-book series details the amazing movement of Wesley and Whitefield in England and Ireland as well as its life-changing effect on a Great Britain sadly in need of transformation. Black Country also details the Wesleyan movement's effect on the future leader of Christianity in the American colonies, Francis Asbury. The website for the book series is www.francisasburytriptych.com. Please enjoy the numerous articles on the website. Again, thank you, for the post.

    ResponderExcluir