Em Cristo estão escondidos todos os tesouros da sabedoria e do conhecimento. (Colossenses 2:3)


Ninguém vos engane com palavras vãs;
porque por essas coisas vem a ira de Deus
sobre os filhos da desobediência.
(Efésios5:6)
Digo isso a vocês para que não deixem que ninguém
os engane com argumentos falsos.
(Colossenses 2:4)

9 de julho de 2011

Santos que ressuscitaram na ressurreição de Jesus

 
 
“abriram-se os sepulcros, e muitos corpos de santos, que dormiam, ressuscitaram; e, saindo dos sepulcros depois da ressurreição de Jesus, entraram na cidade santa e apareceram a muitos” (Mt 27.52-53)

"Quem são estes santos que ressuscitaram e saíram dos túmulos na ressurreição de Jesus? Por que isto aconteceu?"

A mensagem e propósito do texto:

Este texto de Mateus, que é único entre os quatro Evangelhos, está de acordo com as profecias do A.T. que vaticinaram sobre a ressurreição dos mortos nos últimos dias:

“Os vossos mortos e também o meu cadáver viverão e ressuscitarão; despertai e exultai, os que habitais no pó, porque o teu orvalho, ó Deus, será como o orvalho de vida, e a terra dará à luz os seus mortos” (Is 26.19).

“Portanto, profetiza e dize-lhes: Assim diz o SENHOR Deus: Eis que abrirei a vossa sepultura, e vos farei sair dela, ó povo meu, e vos trarei à terra de Israel” (Ez 37.12).

“Muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para a vida eterna, e outros para vergonha e horror eterno” (Dn 12.2).

A ressurreição é aguardada por todos os crentes (1 Ts 4.13-18) e acontecerá a todos os mortos no dia do Senhor, na vinda de Cristo, no grande dia do juízo final. A esperança dos que morrem em Cristo é que neste dia eles terão sua entrada na cidade santa celestial para eterno gozo com seu Senhor (Ap 21.2,10).

O que temos neste texto, então, é um prelúdio, uma amostragem, um sinal, que serviu para mostrar categoricamente a todo o povo de Deus de que a promessa da ressurreição é verdadeira, real, possível de acontecer, pois a morte foi vencida e os corpos certamente ressuscitarão (1 Co 15.54-57). Temos, então, em Mt 27.52-53, uma amostragem da ressurreição final a ser experimentada por todos os crentes, por meio da ressurreição de alguns santos do passado, os quais, mesmo que seus corpos já fossem tornados pó da terra, tiveram seus corpos ressuscitados e foram vistos, à semelhança de Jesus (1 Co 15.5-7), por muitas pessoas em Jerusalém, a cidade santa, como um testemunho da ressurreição.

Mais ensinamentos do texto:

Na falta de maiores detalhes que o texto de Mateus pudesse oferecer, e na falta de outro texto bíblico que discorresse sobre este mesmo evento, NÃO é possível estabelecer alguns fatos:

     a) Não se pode determinar quem eram estas pessoas. O v. 52 apenas os designa como santos, palavra genérica aos que morrem no temor e fé no Senhor. O v. 53 diz, por sua vez, que eles foram reconhecidos como santos que haviam morrido. Sugere o texto de que haviam morrido recentemente, já que os vivos os conheceram???

     b) Não se pode determinar quantos ressuscitaram. O v. 52 diz que foram muitos, um termo que não permite precisar o número. Mas o v. 53 diz que eles entraram em Jerusalém e como eram muitos os ressuscitados, também foram muitos os que os reconheceram como tais. Note que o texto parece indicar de que não se tratava de uma multidão tal, a ponto da cidade de Jerusalém se superlotar ou se tumultuar com os mesmos. De fato, conforme entendimento anterior, como o propósito era o de um sinal e testemunho da ressurreição a todos os crentes, bastavam que houvesse número suficiente para que várias pessoas vissem os ressuscitados, de modo tal a ninguém ser acusado de invencionice ou imaginação fértil.

     c) Não se pode determinar o que ocorreu com os ressuscitados posteriormente. Morreram novamente? Neste caso, a ressurreição foi em corpo de carne, semelhante à experiência de Lázaro. Foram arrebatadas ao céu? Neste caso, tiveram a prévia experiência do corpo glorificado, semelhante a de Enoque e Elias.

Poderia surgir uma dúvida no v. 53, sobre o momento em que os santos ressuscitaram e saíram do túmulo:

De modo geral, as várias versões da Bíblia deixam claro que os santos ressurretos saíram dos seus sepulcros após a ressurreição de Jesus. No texto grego, a palavra Jesus não aparece no v. 53. Por esta razão, muitas versões trazem apenas o pronome “dele”, numa clara referência a Jesus. A TEB (Tradução Ecumênica da Bíblia) traduziu este versículo da seguinte maneira:“saindo do túmulo, depois da sua ressurreição, eles entraram...”. Esta tradução pode gerar dúvida se “sua” se refere à ressurreição de Jesus ou a dos santos. Mas um exame mais preciso nos leva a entender que o significado da frase na TEB é semelhante às demais versões que seguiram literalmente o texto grego. Note que “sua” (que está no singular no texto grego e na TEB) não pode se referir à ressurreição dos santos, pois esta está no plural (no grego e na TEB). A TEB enfatiza bem isto, pois na segunda parte da frase, após a vírgula, o pronome “eles”, referindo-se ao santos, está no plural (este pronome não está no texto grego, mas nele o verbo está na terceira pessoa do plural).

Assim, quanto à ordem dos eventos, embora a leitura dos v. 51-53 dê a impressão de que os santos ressuscitaram primeiro que Jesus, aguardando três dias no túmulo para depois saírem dele, esta ordem, porém, deve ser compreendida de outra forma, segundo fundamenta o Novo Testamento. Cristo é a primícia dos que dormem (1 Co 15.20), o primogênito dentre os mortos (Cl 1.18), o que abriu caminho pelo véu, isto é, sua carne (Hb 10.20), expressões que ensinam claramente que Cristo foi o primeiro a ressuscitar dentre os mortos, abrindo caminho para os demais. Logo, é depois da ressurreição de Jesus que houve a ressurreição dos santos e saída dos mesmos de seus túmulos. Esta compreensão, em acordo com o N.T., esclarece que não houve intervalo de tempo de três dias da ressurreição dos santos até sua saída dos sepulcros, e arrefece qualquer inquietação sobre o que eles ficaram fazendo ressuscitados em seus túmulos neste tempo.

Pastor Alexandre

Nenhum comentário:

Postar um comentário