Em Cristo estão escondidos todos os tesouros da sabedoria e do conhecimento. (Colossenses 2:3)

Ninguém vos engane com palavras vãs; porque por essas coisas vem a ira de Deus sobre os filhos da desobediência.(Efésios5:6)
Digo isso a vocês para que não deixem que ninguém os engane com argumentos falsos. (Colossenses 2:4)

23 de fevereiro de 2017

7 COISAS A SE FAZER DEPOIS DE VER PORNOGRAFIA


Imagem relacionada

 Por Paul Maxwell 
Tradução: Thiago Mancini

       Um monte de conselhos cristãos sobre o vício em pornografia é inútil – isto quer dizer, não contribuem para o real progresso no arrependimento, para a cura, para a restauração e para a recuperação. E acima de tudo, estes conselhos falham miseravelmente em tentar resolver o problema que fundamenta o uso da pornografia.

     Com frequência, conselhos cristãos sobre o vício da pornografia ou estão encabeçados nas nuvens da teologia e da referência bíblica, ou são apenas uma lista superficial de como proceder... E assim, os viciados em pornografia são nocauteados sob as areias da vida real – de fracasso e de estrangulamento da esperança de liberdade.

     Como o Evangelho é relevante para os viciados em pornografia que vivem falhando na tentativa de se libertar? E vivem tentando se libertar e vivem falhando? E vivem tentando se libertar e vivem falhando?

     Muitas vezes nós também permitirmos ideias inatingíveis ditar o que é que nós nos permitimos dizer – os assuntos que nós nos permitimos tratar com a Congregação, com o nosso esforço e com o espelho.

     Nós estamos permitidos a falar sobre o que os cristãos podem fazer (e sobre o que não podem fazer), logo depois do vício da pornografia? Ou logo depois do vício da pornografia nós apenas olhamos para as nuvens e esperamos por alguma melhora?

     “Por que pensar como Deus nos encontra no meio do nosso fracasso? Você não deveria nem mesmo estar nesta situação de ‘depois da pornografia’”? Mas com frequência muitos conselhos recebidos pelos cristãos são conselhos deste tipo, ignorando o fato de que Deus pode agir e de que Deus age no momento de arrependimento.

     É sempre no momento depois da porta fechada, da escuridão que geralmente acontece o ato escondido – depois do vício da pornografia – que Satanás volta com o seu mais eloquente argumento: padrões ameaçadores de pensamento, barganha com um Deus descontente e distante, nos retorcendo em um ódio contra nós mesmos...

     É neste momento depois do vício da pornografia que Satanás realiza o seu trabalho mais excelente e mais sutil. E é também neste exato momento que nós precisamos que Deus nos salve...

     Aqui estão algumas maneiras específicas de buscar a graça divina logo depois do escuro momento do pecado da pornografia:

1] CONHEÇA O SEU INIMIGO

     Assim que você se satisfazer com a pornografia, você tanto pode mergulhar no mar do ódio contra você mesmo por ter caído no pecado quanto pode mergulhar no mar da auto-evasão. E em ambas as formas Satanás está satisfeito. Ambos os caminhos acreditam nas acusações de Satanás:

     “Ele, porém, voltando – se, disse a Pedro: Para trás de mim, Satanás, que me serves de escândalo; porque não compreendes as coisas que são de Deus, mas só as que são dos homens.” (Mt 16.23).

     “Porque a tristeza segundo Deus opera arrependimento para a salvação, da qual ninguém se arrepende; mas a tristeza do mundo opera a morte.” (II Co 7.10).
     Reconheça que você tem um agente pessoal poderoso que está singularmente focado na sua destruição:

     “Então, o Senhor disse a Satanás: De onde vens? E Satanás respondeu ao Senhor e disse: De rodear a terra e passear por ela.” (Jó 1.7)

     “em que, noutro tempo, andastes, segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe das potestades do ar, do espírito que, agora, opera nos filhos da desobediência.” (Ef 2.2)

     “Mas o arcanjo Miguel, quando contendia com o diabo e disputava a respeito do corpo de Moisés, não ousou pronunciar juízo de maldição contra ele; mas disse: O Senhor te repreenda.” (Jd 1.9)

     Toda experiência que você tem – seus pensamentos, seus ódios, seus impulsos, suas emoções, seus planos, suas ideias – devem levar em conta que Satanás está trabalhando ativamente. E quanto mais cedo você se esquecer disto, mais fácil é de acreditar em mentiras ocultas, subversivas, perspicazes e destrutivas.

     Quando Jesus diz aos fariseus que o pai deles é o demônio – o pai da mentira – não é de se causar surpresa que eles não sabiam disto. Satanás quer que eles esqueçam que é o pai deles, por que o mal ganha poder quando é esquecido:

     “Vós tendes por pai ao diabo e quereis satisfazer os desejos de vosso pai; ele foi homicida desde o princípio e não se firmou na verdade, porque não há verdade nele; quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira.” (Jo 8.44).

     Não se esqueça, depois que você se satisfizer com a pornografia, você ainda está no meio de uma batalha com uma pessoa tenaz e maligna determinada a roubar a sua vida...

2] LUTE CONTRA A AUTORREPUGNÂNCIA 
 
     Não há duvida: a pornografia é manipulação torcida da inocência para o desejo mais cru do apetite erótico. Ter um certo peso na consciência é uma coisa boa. Mas quando Judas se deu conta de que havia pecado traindo sangue inocente, não é de se surpreender que ele saiu e foi se enforcar:

     “Então, Judas, o que o traíra, vendo que fora condenado, trouxe, arrependido, as trinta moedas de prata aos príncipes dos sacerdotes e aos anciãos, dizendo: Pequei, traindo sangue inocente. Eles, porém, disseram: Que nos importa? Isso é contigo. E ele, atirando para o templo as moedas de prata, retirou-se e foi-se enforcar.” (Mt 27.3 – 5).

     É um sentimento comum: querer punir a nós mesmos por trairmos o inocente. É uma inocência torcida, nós torcemos a nós mesmos. Não é uma surpresa que o índice de suicídio seja tão alto entre os usuários da pornografia.

     “Eu não sou tão bom quanto os pregadores cristãos e os blogueiros da internet querem que eu seja!”. Para deformar a dignidade humana, no fim, o vício da pornografia somente deforma mais o viciado – deforma psicologicamente e leva o viciado a sentir repugnância por si mesmo e a se contorcer no sentimento de nojo e de repugnância por si mesmo.

     Nós abominamos, criticamos e detestamos a nós mesmos depois do vício da pornografia. Nos permitir a auto-depreciação e o sentimento como que de pagar uma penitência para Deus pelo pecado é uma tortura triste e ferrônea. É falsa, e é uma opressão ímpia.

     Mas a graça divina tem uma palavra sobre isto.

     Não é de se admirar que Davi utilize metáforas físicas tão profundas quando suplicou a Deus por graça depois de cometer pecado de natureza sexual: “apaga as minhas transgressões”, “lava – me”, “limpa – me”, “em pecado me concebeu minha mãe”, “expurga – me”, “lava – me” (novamente), “apaga – me as minhas iniquidades”, “cria em mim um coração puro”.

     “Tem misericórdia de mim, ó Deus, segundo a tua benignidade; apaga as minhas transgressões, segundo a multidão das tuas misericórdias. Lava – me completamente da minha iniqüidade e purifica-me do meu pecado.” (Sl 51.1 – 2)

     “Eis que em iniqüidade fui formado, e em pecado me concebeu minha mãe.”       (Sl 51.5)

     “Purifica-me com hissopo, e ficarei puro; lava-me, e ficarei mais alvo do que a neve.” (Sl 51.7)

     “Esconde a tua face dos meus pecados e apaga todas as minhas iniqüidades. Cria em mim, ó Deus, um coração puro e renova em mim um espírito reto.”                        (Sl 51.9 – 10)

     É como um simples fundamento de uma súplica: “Está dentro de mim. Tire isto de mim!”, “Me faça parar!”, “Eu odeio isto!”, “Eu odeio a mim mesmo!”, “Me   limpe!”.

     Deus nos dá uma liturgia de tristeza e de esperança expressadas no mesmo clamor. Lute, como Davi. Grite isto, como Davi. Substitua os gemidos humanos de ódio a si mesmo por um inquebrável grito de guerra do amor divino.

     Se você é tentado a chafurdar, não permita que o seu (bom) ódio intuitivo do pecado leve você a se odiar... Seja paciente com você mesmo, por que Deus é paciente. Deus está lutando pela sua vida: (Gn 32.24, Jo 10.10). Deus não se esqueceu de você. Deus não deixou você. Continue lutando juntamente com Deus. Se mantenha ofegante para o ar da vida divina – a vida concedida pelo Espírito: (I Co 15.45).


3] LUTE CONTRA O NEVOEIRO

     Imediatamente depois do vício da pornografia, o nevoeiro começa a se estender sobre a pessoa. E Jesus sabe disto. “Bem – aventurados os puros de coração, por que eles verão a Deus.” (Mt 5.8). Pureza de coração é como que a festa de uma virtude luminescente. E o que é impureza? É a celebração que se torna auto – isolada, evitando a Deus e os homens e a si mesmo, anestesiado, atordoado, amortecido e insensível.

     A impureza sexual induz à uma espécie de catarata espiritual. E mais uma vez, o sentimento é comum – a limpeza do histórico de navegação na internet, caminhar pesarosamente durante o restante do dia, caminhar desajeitadamente de uma tarefa para outra tarefa, e pesarosamente de uma pessoa para outra pessoa – sem sentido, impessoal e sem paixão. Esta experiência está integrada na fábrica do vício da pornografia.

     Normalmente não há nada a ser feito, se formos honestos, exceto montar a onda – a confusão, o torpor. Se mantenha em oração: “orando em todo tempo com toda oração e súplica no Espírito e vigiando nisso com toda perseverança e súplica ...”    (Ef 6.18). Continue se esforçando para respirar.
    
     As misericórdias matinais podem ser o botão de reset emocional que nós precisamos quando passamos as nossas emoções diárias escondidas na pornografia:

     “As misericórdias do Senhor são a causa de não sermos consumidos; porque as suas misericórdias não têm fim. Novas são cada manhã; grande é a tua fidelidade. A minha porção é o Senhor, diz a minha alma; portanto, esperarei nele.”                        (Lm 3.22 – 24).

     Sério? Você vai esperar em Deus? Orar é um ato de esperança. A oração é a porção do lamento da Obra do Senhor. Continue a caminhar para frente. Continue respirando. Sem repetir a prática do vício, o nevoeiro terminará por se dissipar.

4] GUARDE OUTROS

      A pornografia é uma sessão de treinamento na habilidade de usar outras pessoas para o prazer pessoal. Esteja ciente de que agora você está inclinado a usar pessoas em relações próximas da mesma forma que você usa aquelas na pornografia – com motivos egoístas, com atitudes negligentes e sem remorsos.

     A pornografia coloca antolhos relacionais em nós – e impede profundamente nossa habilidade de amar outras pessoas também. Então, o melhor curso de ação é andar como se tivéssemos antolhos físicos em nós: aja de modo cuidadoso e assuma que nós estamos atualmente muito vulneráveis e propensos a tratar as pessoas ao nosso redor como sub-humanos.

     Depois do vício da pornografia, é vital manter em mente que as pessoas que não estão na tela da TV ou do computador merecem o respeito e a dignidade que nós acabamos de falhar e mostras para com aquelas pessoas que estão na tela da TV e do computador.

     A pornografia acalma ou alivia os usuários com um drama, um personagem, uma história com um roteiro e linhas e ação: uma pessoa para o prazer, uma pessoa para ser satisfeita; uma pessoa fazendo sacrifícios, outra recebendo sacrifícios; um sub-humano, um deus.

     É necessário auto-controle para lembrar que a pornografia é uma história falsa – para lutar com o falso drama que a pornografia nos dá, nós devemos pensar ativamente menos de nós mesmos e mais dos outros: para relembrar a dignidade humana e o amor de Cristo por aqueles que nos rodeiam.

     O Espírito trabalha em nós para impedir a carne de nos governar:
“Porque a carne cobiça contra o Espírito, e o Espírito, contra a carne; e estes opõem – se um ao outro; para que não façais o que quereis.” (Gl 5.17) – o Espírito protege outros das consequências do nosso pensamento que nós somos Deus.

5] CONFESSE PARA UM AMIGO

     Confessar pecados para um amigo que não vai dar desculpas para o seu pecado, mas igualmente importante, também não vai esmagar você. Às vezes, quando se está procurando por ajuda para se levantar depois do pecado da pornografia (Pv 24.16), outros somente o arrastam novamente para baixo.

     Encontre um amigo que lhe dê esperança que sara as suas feridas quando ouve a sua confissão. O propósito da confissão é “que você possa ser curado” e “que você ore um pelo outro” (Tg 5.16). É claro que o valor da “oração de uma pessoa justa” é que “tem grande poder em seus efeitos” (Tg 5.16). Poder para fazer exatamente o quê? Para “nos limpar de todas as nossas iniquidades” (I Jo 1.9).

     Confessar para um amigo (mais apropriadamente, um amigo do mesmo sexo) não é uma barreira entre o pecador e Cristo, mas um meio de consertar o que está quebrado. O pecador sábio confessa a aquele que não vai “esmagar o aflito na    porta” (Pv 22.22) nem “chamar ao mal de bem e ao bem de mal” (Is 5.20).

6] USE A SUA LUCIDEZ PARA O BEM

     Sim, pode haver uma névoa após o vício da pornografia. Mas também pode haver uma enxurrada de lucidez – a retrospectiva do arrependimento. “Quando Judas... viu que Jesus fora condenado, ele mudou sua mente.” (Mt 27.3). A lucidez de Judas o levou para um caminho errado. Mas você pode usar a sua lucidez para voltar ao caminho certo.

     Da mesma forma, o apóstolo Paulo escreve sobre a rebelião da nação de Israel, “E essas coisas foram-nos feitas em figura, para que não cobicemos as coisas más, como eles cobiçaram.” (I Co 10.6). Às vezes, nós desejamos o mal de qualquer forma. E neste caso, nós servimos como exemplo para nós mesmos.
Como John Piper poderia dizer: “Não desperdice o seu arrependimento.”. Use o seu arrependimento para a glória de Deus e para a sua alegria. Estabeleça os limites. Use a lucidez que certamente vai desbotar antes do próximo de tentação para construir estruturas que vão prevenir que isto aconteça novamente.

    Volte para frente para tudo o que você gostaria sobre quais estruturas são estúpidas e ineficazes, e quais são as medidas preventivas sustentáveis – a verdade básica é esta: se você não tem nenhuma estrutura formal para prevenir você de olhar para a pornografia no futuro, absolutamente, com 100% de certeza, vai acontecer novamente. Se você não possui nenhuma estrutura, se você não tem nenhum lugar para escolher – escolha alguma coisa.

Aqui estão algumas coisas para escolher:

· Tenha um pacto com os seus olhos ou adquira um antivírus que lhe impeça de acessar pornografia no computador.

· Não tenha nenhum aplicativo no seu telefone celular que lhe permita acessar pornografia

· Exclua todos os aplicativos do seu navegador e todo o seu histórico de internet que lhe permita acessar indevidamente a internet.

· Peça a um amigo para bloquear o download de aplicativos no seu telefone de modo que você não possa acessar pornografia de nenhuma maneira...

· Delete as figuras que você tenha salvo no seu computador ou telefone celular.

· Conte aos amigos sobre qualquer possibilidade de quebrar os códigos de segurança no computador para acessar pornografia.

Se você não planejar tudo isto, você está planejando falhar. E em nenhum lugar isto é mais verdadeiro do que na luta prática contra o vício da pornografia.

7] CONHEÇA O SEU DEUS

     Relembre isto: Deus te ama, e te ama muito. Ele é perturbado por nós (Gn 6.6), e de coração partido conosco, e poroso para você: “Os justos clamam, e o Senhor os ouve e os livra de todas as suas angústias. Perto está o Senhor dos que têm o coração quebrantado e salva os contritos de espírito. Muitas são as aflições do justo, mas o Senhor o livra de todas.” (Sl 34.17 – 19).

     A neblina pode nos impedir de Deus: “O homem brutal nada sabe, e o louco não entende isto.” (Sl 92.6). Mas até mesmo quando não O podemos ver, mesmo quando falhamos em O obedecer, nós podemos orar: Deus, frustra nossos planos de desobediência (Ne 4.15), e “nenhum dos seus planos podem ser frustrados.”             (Jó 42.2).

     Mais do que qualquer coisa: “Deus, nos ajude a lançar sobre Ti todas as nossas ansiedades, por que o Senhor tem cuidados de nós...” (I P3 5.6 – 7).

     Ele não abandona o pecador. Ele não se afasta depois que viciado olha para a pornografia. Espere no amor de Deus. “Se fortaleça… no Espírito Santo”:

     “Mas vós, amados, edificando – vos a vós mesmos sobre a vossa santíssima fé, orando no Espírito Santo, conservai a vós mesmos na caridade de Deus, esperando a misericórdia de nosso Senhor Jesus Cristo, para a vida eterna.” (Jd 1.20 – 21).

     Conheça a diferença entre que a máscara de Deus que Satanás utiliza para enganar você: nojo, distância, indisponibilidade, desinteresse, e relembre a face real de Deus: amoroso, paciente, trabalhador, não pode ser pego de surpresa, incansável, inabalável em seu amor por você. Ele não vai permitir que você vá...


Autor: Paul Maxwell

Paul Maxwell (@paulcmaxwell) é um estudante de PhD na Trinity Evangelical Divinity School e professor de filosofia no Instituto Bíblico Moody.

Extraído de: http://www.materiasdeteologia.com/2016/07/fazer-depois-de-olhar-pornografia.html#ixzz4ZSo34qot
Under Creative Commons License: Attribution Non-Commercial No Derivatives



22 de fevereiro de 2017

15 passagens bíblicas que dizem que podemos perder a salvação?


 Resultado de imagem para 15 passagens que dizem que podemos perder a salvação

As 15 passagens que lhe mostraram para tentar convencê-la de que você poderia perder a salvação é a maior lista que já recebi. Mas é possível mostrar como estão equivocados quando examinamos o contexto de cada uma delas. Como acredito na sinceridade das pessoas que se deram ao trabalho de enviar tantos versículos a você, preocupadas com seu bem estar espiritual, vou dedicar algum tempo esclarecendo um a um.

Ainda que um verdadeiro salvo se esforce em procurar passagens tentando contradizer o que Deus diz, eu ainda concordo com Paulo e "estou certo de que, nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as potestades, nem o presente, nem o porvir, Nem a altura, nem a profundidade, nem alguma outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor" Rm 8:38, 39).

Sempre que aparecem alguns citando versículos que parecem dizer que é possível um crente perder a salvação, devemos perguntar: Existe algum versículo na Bíblia que diga que é impossível o crente perder a salvação? Sim, existem muitos, e como a Bíblia não pode se contradizer obviamente deve existir uma explicação para aqueles que parecem dizer o contrário.

Esta é apenas uma (e suficiente) passagem que garante a salvação eterna:

Joã 10:28-29 E dou-lhes a vida eterna, e nunca hão de perecer, e ninguém as arrebatará da minha mão. Meu Pai, que mas deu, é maior do que todos; e ninguém pode arrebatá-las da mão de meu Pai.


Vamos aos versículos que citou:

1) Mt 24.11-13 [Aquele que perseverar até o fim, esse será salvo].

Isto se dará durante a grande tribulação, e aqui fala de salvação do corpo de carne, de sair vivo da tribulação para poder habitar no reino de mil anos. Compare com o versículo 22: "E, se aqueles dias não fossem abreviados, NENHUMA CARNE se salvaria".

2) Jo 15.2 [O ramo, ligado á videira, poderá ser cortado].

Joã 15:1-6  Eu sou a videira verdadeira, e meu Pai é o lavrador. Toda a vara em mim, que não dá fruto, a tira; e limpa toda aquela que dá fruto, para que dê mais fruto. Vós já estais limpos, pela palavra que vos tenho falado. Estai em mim, e eu em vós; como a vara de si mesma não pode dar fruto, se não estiver na videira, assim também vós, se não estiverdes em mim.  Eu sou a videira, vós as varas; quem está em mim, e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer. Se alguém não estiver em mim, será lançado fora, como a vara, e secará; e os colhem e lançam no fogo, e ardem.

O assunto aqui é dar ou não dar fruto e ser ou não um testemunho para Deus. Se o assunto fosse a salvação por frutos, então entraria em contradição com Efésios que diz: "Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus. Não vem das obras, para que ninguém se glorie" Ef 2:8-9.

A ideia de varas no sentido de testemunho é também usada por Paulo em Romanos 11, quando também fala  de Israel ter sido cortado como testemunho e do risco da cristandade ser cortada como testemunho de Deus neste mundo. E ela efetivamente será cortada, na sua condição de Laodiceia, pois o mesmo Senhor disse que a vomitaria de sua boca em Apocalipse 3.

Rom 11:22 Considera, pois, a bondade e a severidade de Deus: para com os que caíram, severidade; mas para contigo, benignidade, se permaneceres na sua benignidade; de outra maneira também tu serás cortado.

Apo 3:16 Assim, porque és morno, e não és frio nem quente, vomitar-te-ei da minha boca.

3) At 14.22 [permanecer firmes na fé...].

Ats 14:22 Confirmando os ânimos dos discípulos, exortando-os a permanecer na fé, pois que por muitas tribulações nos importa entrar no reino de Deus.

O versículo inteiro fala o óbvio: que a fé pode vir acompanhada de tribulações, dores e provas, pois se dissesse que a salvação é por meio de sofrimento, então não precisaríamos da obra de Cristo e creríamos nele como creem os espíritas, que acham que é sofrendo que sobem os degraus rumo à perfeição. O que Pedro diz em Atos pode ser melhor entendido se lermos a passagem em 1 Pedro onde ele desenvolve melhor o pensamento que menciona de relance em Atos 14:

1Pe 1:3 Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo que, segundo a sua grande misericórdia, nos gerou de novo para uma viva esperança, pela ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos, Para uma herança incorruptível, incontaminável, e que não se pode murchar, guardada nos céus para vós, Que mediante a fé estais guardados na virtude de Deus para a salvação, já prestes para se revelar no último tempo, Em que vós grandemente vos alegrais, ainda que agora importa, sendo necessário, que estejais por um pouco contristados com várias tentações, Para que a prova da vossa fé, muito mais preciosa do que o ouro que perece e é provado pelo fogo, se ache em louvor, e honra, e glória, na revelação de Jesus Cristo; Ao qual, não o havendo visto, amais; no qual, não o vendo agora, mas crendo, vos alegrais com gozo inefável e glorioso; Alcançando o fim da vossa fé, a salvação das vossas almas.

Desta passagem deduzimos que (1) fomos gerados de novo, não por nós mesmos, mas pelo Pai de nosso Senhor Jesus Cristo; (2) para uma "viva esperança", "uma herança incorruptível, incontáminável e que não se pode murchar, guardada nos céus". (3) que pela fé estamos guardados "NO PODER (VIRTUDE) DE DEUS PARA A SALVAÇÃO" (não é pouca coisa o que nos guarda e garante a salvação, mas o poder de Deus); (4) que por enquanto, aqui, importa passarmos por provações para que a nossa fé se fortaleça. Como pode ver, a segurança de nossa salvação não está em nós ou em nossa frágil obediência (ou ninguém seria salvo), mas no poder de Deus e na imutabilidade de Sua promessa.

4) 1 Co 15.1 [Sereis salvos, se retiverdes a palavra tal como vo-la preguei].

1Co 15:2-4 Pelo qual também sois salvos se o retiverdes tal como vo-lo tenho anunciado; se não é que crestes em vão. Porque primeiramente vos entreguei o que também recebi: que Cristo morreu por nossos pecados, segundo as Escrituras, E que foi sepultado, e que ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras.

Esta passagem na verdade acusa aqueles que dizem que mantemos a salvação pela obediência, pois o que diz aqui que é preciso reter para ser salvo? Exatamente isto: que Cristo morreu por nossos pecados e ressuscitou ao terceiro dia. Esta é a essência do evangelho, é tudo o que é preciso crer para ser salvo. Quem não retém esta palavra (de que a salvação é pela fé em Cristo em sua morte e ressurreição) e acrescenta suas próprias obras de obediência e fidelidade ao processo obviamente não crê no evangelho de Deus, qual Paulo o pregou. E quem não crê que Jesus morreu e ressuscitou como suficiente para ser salvo, não pode mesmo ter a certeza da salvação, pois não crê nas Escrituras.

5) Cl 1.22-23 [Inculpáveis e irrepreensíveis... Se é que permaneceis na fé].

Col 1:21-23 A vós também, que noutro tempo éreis estranhos, e inimigos no entendimento pelas vossas obras más, agora contudo [CRISTO] vos reconciliou No corpo da sua carne, pela morte, para perante ele vos apresentar santos, e irrepreensíveis, e inculpáveis, Se, na verdade, permanecerdes fundados e firmes na fé, e não vos moverdes da esperança do evangelho que tendes ouvido, o qual foi pregado a toda criatura que há debaixo do céu, e do qual eu, Paulo, estou feito ministro.

É o mesmo caso da questão anterior: se alguém não permanecer firme na fé de que a salvação só é possível porque, antes inimigos por causa de nossas obras, Deus nos reconciliou pela morte e ressurreição de Cristo para ELE (Deus, e não nós mesmos) nos apresentar "santos, e irrepreensíveis e inculpáveis". Se alguém achar que com seus próprios esforços será capaz de se apresentar diante de Deus santo, irrepreensível e inculpável é por não ter entendido o valor da obra de Cristo e do seu sangue que nos limpa de TODO pecado. E obviamente, não mover-se do evangelho que Paulo pregou é crer que a salvação está em tão somente crer que Jesus morreu e ressuscitou (conforme a questão anterior).

6) 1 Tm 4.1 [Nos últimos tempos, alguns apostatarão da fé; isto é, abandonarão a fé].

Apostasia é o abandono da verdade, e é importante ver o que o contexto todo diz para saber o que significa apostatar da fé:

1Tm 4:1-3 Mas o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios; Pela hipocrisia de homens que falam mentiras, tendo cauterizada a sua própria consciência; Proibindo o casamento, e ordenando a abstinência dos alimentos que Deus criou para os fiéis, e para os que conhecem a verdade, a fim de usarem deles com ações de graças;

Portanto, apostatar da fé aqui significa ouvir espíritos enganadores, doutrinas de demônios e seguir homens que colocam uma lista de regras a serem obedecidas (como proibir casamento e determinados alimentos). Mais uma vez, qualquer pessoa que siga regras para se salvar, e não o puro evangelho (Cristo morreu e ressuscitou) não é alguém que tenha a salvação. É um mero professantes, mas nunca nasceu de novo. É o joio, que é parecido com o trigo mas não é trigo. Esses, ao apostatarem, não perdem a salvação simplesmente porque nunca a tiveram.

7) 1 Tm 4.16 [A salvação depende de guardar a doutrina]

1Tm 4:16 Tem cuidado de ti mesmo e da doutrina. Persevera nestas coisas; porque, fazendo isto, te salvarás, tanto a ti mesmo como aos que te ouvem.

O "te salvarás" não tem nada a ver com a salvação eterna, pois se tivesse nós seríamos nossos próprios salvadores. Aí Paulo não teria dito ao carcereiro "Crê no Senhor Jesus e serás salvo" (At 16:31), mas "Salve-se a si mesmo". Seria muita ingenuidade alguém pensar que o texto está dizendo que Timóteo poderia salvar-se a si mesmo e ainda salvar as pessoas que o escutassem! Isto faria de Timóteo um salvador, de si e de outros.

Qual é então o significado do verbo salvar aqui? Preservar-se de ser enganado e contaminado pelos mesmos falsos mestres dos quais ele fala no início do capítulo, que imporiam uma série de restrições aos seus seguidores. Ser "salvo" das "fábulas profanas e de velhas". A exortação para ele "ler, exortar e ensinar", meditar "estas coisas", ocupar-se nelas, ter cuidado da doutrina, tudo tem por objetivo mantê-lo longe do engano e do erro, ficar a salvo, ou "salvar-se" e "salvar" (manter "a salvo") também os que o escutarem.

8) 1 Tm 6.10 [alguns se desviaram da fé...].

1Tm 6:10 Porque o amor ao dinheiro é a raiz de toda a espécie de males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé, e se traspassaram a si mesmos com muitas dores.

A passagem não diz que perderam a salvação, mas que acabaram sofrendo muito por causa do seu amor ao dinheiro. Acredito que aqui o "desviaram da fé" tenha o sentido de abandonar a comunhão por amor ao dinheiro. Mas também pode significar que nunca realmente tiveram a fé que salva, mas apenas a crença religiosa, pois acabaram confiando mais no dinheiro do que em Jesus.

É possível alguém perder uma salvação que nunca teve? Sim. É possível um salvo perder a comunhão com Deus por amar as coisas deste mundo? Sim. É possível um verdadeiro salvo perder a salvação? Não.

9) Hb 2.3 [A salvação não pode ser negligenciada]

Heb 2:3 Como escaparemos nós, se não atentarmos para uma tão grande salvação, a qual, começando a ser anunciada pelo Senhor, foi-nos depois confirmada pelos que a ouviram;

Isto é óbvio. Como alguém escapará se negligenciar a salvação? Não escapará. Como alguém pode negligenciar a salvação? Não ouvindo o evangelho, pois é exatamente o que está dizendo ali: "a qual, começando a ser anunciada pelo Senhor, foi-nos depois confirmada pelos que a OUVIRAM".

10) Hb 3.6 [se guardarmos firmes, até o fim].

Heb 3:6 Mas Cristo, como Filho, sobre a sua própria casa; a qual casa somos nós, se tão somente conservarmos firme a confiança e a glória da esperança até ao fim.

A pergunta a ser feita aqui é: "E quem me fará conservar firme a confiança e a glória da esperança até ao fim?". A resposta está em outra passagem:

1Co_1:8 O qual vos confirmará também até ao fim, para serdes irrepreensíveis no dia de nosso Senhor Jesus Cristo.

1Ts 3:12-13 E o Senhor vos aumente, e faça crescer em amor uns para com os outros, e para com todos, como também o fazemos para convosco; Para confirmar os vossos corações, para que sejais irrepreensíveis em santidade diante de nosso Deus e Pai, na vinda de nosso Senhor Jesus Cristo com todos os seus santos.

11) Hb 3.12-13 [a exortação faz-se necessária diante da possibilidade de algum irmão endurecer o coração e cair no pecado]

Heb 3:12-14 Vede, irmãos, que nunca haja em qualquer de vós um coração mau e infiel, para se apartar do Deus vivo. Antes, exortai-vos uns aos outros todos os dias, durante o tempo que se chama Hoje, para que nenhum de vós se endureça pelo engano do pecado; Porque nos tornamos participantes de Cristo, se retivermos firmemente o princípio da nossa confiança até ao fim.

Vale aqui a mesma observação que fiz na anterior. E eu acrescentaria uma pergunta: Alguém que confie em sua própria fidelidade e perseveração para manter-se salvo está realmente com seu coração confiando no Deus vivo ou em seus próprios esforços? Está ciente de que Cristo pagou por TODOS os seus pecados lá na cruz, ou acha que ele só pagou os que cometeu até sua conversão, ficando os próximos por sua própria conta? Ou se ilude achando que não irá mais pecar depois de convertido? E se não vai mais pecar, para que precisaria do advogado de 1 João?

1Jo 2:1  Meus filhinhos, estas coisas vos escrevo, para que não pequeis; e, se alguém pecar, temos um Advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o justo

Eu enxergo pessoas que duvidam da fidelidade e poder de Deus para conservá-las salvas como se fossem aqueles que se sentam ao lado deu um motorista extremamente habilitado e transformam a viagem num pesadelo, agarrados no painel do carro e pisando no assoalho a todo momento como se quisesse frear. Isso é falta de confiança em quem realmente está na direção.

12) Hb 6.4 [é impossível renovar os que, uma vez iluminados e alcançados pelo dom celestial, de forma deliberada caírem].

Este versículo é um clássico usado pelos que duvidam da salvação eterna. O que não percebem é que a carta aos hebreus foi escrita para ex-judeus que haviam passado a confessar o cristianismo, muitos deles nem mesmo realmente convertidos. É por isso que a carta traz diversas vezes a expressão "melhores" ao tentar mostrar que não deviam voltar atrás para o judaísmo, fazendo justamente o que os cristãos legalistas de hoje tentam fazer colocando uma lista de regras como condição necessária à salvação. Vamos à passagem:

Heb 6:4-6 Porque é impossível que os que já uma vez foram iluminados, e provaram o dom celestial, e se tornaram participantes do Espírito Santo. E provaram a boa palavra de Deus, e as virtudes do século futuro, E recaíram, sejam outra vez renovados para arrependimento; pois assim, quanto a eles, de novo crucificam o Filho de Deus, e o expõem ao vitupério.

Percebe que isto poderia ser dito de qualquer judeu que tenha vivido nos tempos de Jesus? Para uma pessoa que foi iluminada (Jesus, a luz do mundo estava andando aqui), provou o dom celestial (Jesus era a dádiva de Deus entregue aos homens), se tornou participante do Espírito Santo (não diz que recebeu, mas desfrutou dele), provou a palavra de Deus e as virtudes (poderes) do século futuro (isto é, os milagres que Jesus fazia) e recaíram...

Em nenhum momento diz que creram, mas apenas que foram privilegiados por todas essas coisas (foram curados de enfermidades, comeram pães e peixes multiplicados milagrosamente, viram poderes que só serão vistos no futuro quando Cristo vier para reinar etc. Realmente é impossível que alguém tão privilegiado assim seja salvo se simplesmente renegar tudo isso e não crer no Salvador (exercer fé).

13) Hb 10.26-27 [Após receber a verdade, o homem, deliberadamente, pode retornar às trevas].

Heb 10:26-27 Porque, se pecarmos voluntariamente, depois de termos recebido o conhecimento da verdade, já não resta mais sacrifício pelos pecados, Mas uma certa expectação horrível de juízo, e ardor de fogo, que há de devorar os adversários.

O mesmo caso da questão anterior, de pessoas que recebem, não a verdade, mas o "conhecimento da verdade", ou seja, não passa da mente intelectual e nunca se transforma em fé real.

Heb 10:38-39 Mas o justo viverá da fé; E, se ele recuar, a minha alma não tem prazer nele. Nós, porém, NÃO SOMOS DAQUELES QUE SE RETIRAM para a perdição, mas daqueles que crêem para a conservação da alma.

Este será o caso dos que ouvirem o evangelho e não crerem e forem deixados para trás quando vier o arrebatamento. Aqueles que receberem o conhecimento da verdade, mas não CRERAM na verdade, não poderão ser salvos.

2Ts 2:11-12 E por isso Deus lhes enviará a operação do erro, para que creiam a mentira; Para que sejam julgados todos os que não creram a verdade, antes tiveram prazer na iniqüidade.

14) Tg 5.19 [Se algum irmão se desviar da verdade, e alguém o fizer retornar, SALVARÁ DA MORTE A ALMA dele...].

Tgo 5:19-20 Irmãos, se algum dentre vós se tem desviado da verdade, e alguém o converter, Saiba que aquele que fizer converter do erro do seu caminho um pecador, salvará da morte uma alma

Aqui está falando da morte física mesmo, como aconteceu com Ananias e Safira e como teria acontecido com o homem de 1 Coríntios (que estava em fornicação), caso não tivesse se arrependido. Paulo, em sua autoridade de apóstolo, o tinha entregue a Satanás para a destruição da carne (morte física) para que ele fosse salvo no final.

1Co 5:3-5 Eu, na verdade, ainda que ausente no corpo, mas presente no espírito, já determinei, como se estivesse presente, que o que tal ato praticou, Em nome de nosso Senhor Jesus Cristo, juntos vós e o meu espírito, pelo poder de nosso Senhor Jesus Cristo, Seja entregue a Satanás para destruição da carne, para que o espírito seja salvo no dia do Senhor Jesus.

O apóstolo João fala do pecado para a morte (física), que é o caso aqui:

1Jo_5:16-17 Se alguém vir pecar seu irmão, pecado que não é para morte, orará, e Deus dará a vida àqueles que não pecarem para morte. Há pecado para morte, e por esse não digo que ore. Toda a iniqüidade é pecado, e há pecado que não é para morte.

Um crente que deliberadamente decide andar fora dos caminhos do Senhor corre o risco de ser morto por Deus. Seu espírito é salvo, mas ao menos ele deixa de atrapalhar o testemunho de Deus no mundo. Em Êx 4:24 Deus quis matar Moisés porque estava em desobediência.

Há vários casos de Deus matando alguém já salvo, como foi a mulher de Ló, que olhou para trás, ou Ananias e Safira, que mentiram ao Espírito Santo. Embora mentir ao Espírito Santo seja grave, e os incrédulos façam isso o tempo todo, a coisa fica séria quando é um crente que faz isso. Deus pode considerá-lo indigno de continuar como testemunho no mundo.

O profeta de Deus de 1 Reis 13 também foi morto por desobedecer, o mesmo acontecendo com o homem que colocou a mão na arca para evitar que caísse da carroça em que estava sendo transportada. Ambos tinham boas intenções, mas sabiam qual era o mandamento de Deus.

Deus também matou o filho de Davi por causa de seu adultério (evidentemente a criança estava salva) que gerou um péssimo testemunho aos olhos dos inimigos de Deus:

2Sm 12:14 Todavia, porquanto com este feito deste lugar sobremaneira a que os inimigos do SENHOR blasfemem, também o filho que te nasceu certamente morrerá.

A mulher do profeta Ezequiel (Ez 24) também foi morta por Deus para ensinar algo à nação de Israel:

Eze 24:16-18 Filho do homem, eis que, de um golpe tirarei de ti o desejo dos teus olhos, mas não lamentarás, nem chorarás, nem te correrão as lágrimas. Geme em silêncio, não faças luto por mortos; ata o teu turbante, e põe nos pés os teus sapatos, e não cubras os teus lábios, e não comas o pão dos homens. E falei ao povo pela manhã, e à tarde morreu minha mulher; e fiz pela manhã como me foi mandado.

Deus, que entregou o Seu próprio Filho em sacrifício por nos, também permitiu a morte de Estêvão, Tiago e tantos outros para testemunho de fé. Portanto, há várias situações em que Deus intervém com a morte do salvo, tanto para preservar o testemunho de Deus no mundo, como para incrementá-lo por meio do martírio dos santos.

Portanto, nem todas as passagens na Bíblia que falam de morte são a respeito da condenação eterna, mas apenas da morte física, do corpo. A passagem que você citou não poderia falar de salvação eterna, pois aí Tiago seria também um salvador (como no caso de Timóteo), ao dizer que ele "salvará da morte uma alma". Até mesmo um versículo que é muito usado fora do contexto para evangelizar está falando de morte física, e não da condenação eterna:

Eze 18:20 A alma que pecar, essa morrerá

15) Ap 2.10 [A fidelidade deve ser contínua até a morte]

Apo 2:10 Nada temas das coisas que hás de padecer. Eis que o diabo lançará alguns de vós na prisão, para que sejais tentados; e tereis uma tribulação de dez dias. Sê fiel até à morte, e dar-te-ei a coroa da vida.

A "coroa da vida" não é a salvação, mas um galardão. Há sete "coroas" na Bíblia que nos falam de galardão ou recompensa dos salvos.

Portanto, como você pode ver, nenhuma das passagens que enviou falam da perda de salvação por um verdadeiro salvo -- ou falam de perda de comunhão, ou de preservação da vida ou mesmo de se guardar do erro. Nos links abaixo você verá outras respostas que enviei sobre diferentes questionamentos sobre a mesma questão. Fico surpreso de tanta gente insistir na perda da Salvação, quando o desejo de Deus é salvar e não querer que nenhum se perca.

Se perdêssemos a salvação então nem mesmo poderíamos dizer que a temos, pois aí estaríamos pecando pela presunção de nos considerarmos bons o suficiente para mantê-la. Felizmente é por graça que somos salvos e é por graça que somos mantidos salvos. Colocar qualquer esforço humano no processo é se colocar debaixo da maldição proferida por Paulo aos gálatas, pois é crer em outro evangelho:

Gál 1:6-8 Maravilho-me de que tão depressa passásseis daquele que vos chamou à graça de Cristo para outro evangelho; O qual não é outro, mas há alguns que vos inquietam e querem transtornar o evangelho de Cristo. Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos anuncie outro evangelho além do que já vos tenho anunciado, seja anátema.

Joã 5:24 Na verdade, na verdade vos digo que quem ouve a minha palavra, e CRÊ naquele que me enviou, TEM A VIDA ETERNA, e NÃO ENTRARÁ EM CONDENAÇÃO, mas PASSOU DA MORTE PARA A VIDA.


por Mario Persona

https://sites.google.com/site/dodavidbezerragospel/o-que-respondi-com-mario-persona/15-passagens-que-dizem-que-podemos-perder-a-salvacao


 

21 de fevereiro de 2017

Características dos Milagres Bíblicos


Resultado de imagem para Milagres Bíblicos curas 
Jefté Alves de Assis
 

O prodigioso é algo buscado pelos carismáticos. Isso é muito refletido  em  suas concentrações nos cultos ou em reuniões. Via de regra, os milagres carismáticos são pintados por uma série de características que são facilmente identificadas após observar alguns de seus vários programas televisivos. Podemos citar algumas delas: (1) associação direta ao milagreiro que geralmente é o dono da igreja; (2) condicionados ao lugar da concentração; (3) são registrados depois do prodígio; (4) os envolvidos em cura nunca são reconhecidos posteriormente. No entanto, essas características dos milagres são legítimas?

Devido ao seu caráter sobrenatural, é difícil englobar características próprias dos milagres enquanto fenômeno.36 Contudo, as ocorrências dos milagres na Bíblia estão marcadas por uma série de pontos em comuns. Visando a temática desta obra, daremos maior ênfase nos milagres de cura, haja vista ser os que mais são alegados no meio carismático.

Os milagres são realizados no mundo externo

Os milagres são passíveis de serem notados e discriminados com um alto grau de certeza pelos sentidos do corpo humano, como a visão, a audição e o tato. Como outrora foi aludido, um termo usado na Bíblia para denominar milagres é “prodígio”, que dá a entender um acontecimento que deixa as pessoas admiradas ou perplexas. Certamente, dois casos que se enquadram bem aqui são os episódios da restauração da filha do líder da sinagoga (Mc 5.41-42) e da sarça ardente (Êx 3.1-14).

No meio carismático, os milagres são interpretados individualmente. “Eu fui curado” ou “você recebeu a cura”, são frases constantemente ouvidas. No entanto, na Bíblia, os milagres não são interpretados com base numa experiência individual. Pelo contrário, os milagres são vistos e constatados pelos sentidos.

Os milagres são imediatos

Não há qualquer caso em toda a Bíblia que a realização de um milagre possa ter sido prorrogada para outro tempo. Isso ganha valor quando aplicados à cura. O efeito da cura milagrosa não era apenas rápido, mas instantâneo. Um exemplo disso é o milagre do paralítico em Betesda (Jo 5.1-9). Após Jesus pronunciar a frase “levanta-te, toma o teu leito e anda” (v. 8), João chama atenção ao fato de que “imediatamente, o homem se viu curado e, tomando o leito, pôs-se a andar” (v. 9). Outro exemplo é o milagre realizado por Pedro, na restauração de um coxo de nascença que ficava à porta do templo (At 3.1-10). Após Pedro ordenar que ele andasse, o texto diz que “imediatamente os seus pés e tornozelos se firmaram; de um salto se pôs em pé, passou a andar e entrou com eles no templo, saltando e louvando a Deus” (v. 7-8). Ninguém foi pra casa com a promessa de ser curado, tendo que esperar horas, dias ou meses para os efeitos do milagre pudessem ser manifestos.37

As curas milagrosas são sempre bem-sucedidas e sem recaídas

O êxito dos milagres de Cristo e dos apóstolos não dependia de qualquer que fosse a enfermidade (até mesmo a morte) ou a circunstância (até mesmo enfermidades de nascença). Ademais, “não há registro de alguém que tenha recebido o milagre e voltado à condição antiga”.38 Milagres de cura eram sinônimos de curas permanentes.

Os milagres de cura são focalizados em doenças orgânicas

Nem Jesus Cristo nem os apóstolos nunca curaram doenças funcionais, tais como dores de cabeça e cólicas. O que é registrado nas Escrituras são curas de pessoas que eram cegas (Jo 9) e aleijadas desde o nascimento (Jo 5), bem como um homem que tinha sua mão ressequida (Mc 3). Igualmente, os apóstolos curaram um paralítico que estava nesta condição desde o seu nascimento (At 3). O interesse estava totalmente voltado para aquilo que é impossível de qualquer pessoa operar por meio dos recursos naturais disponíveis. Aquilo que o médico podia curar, Deus, em sua soberania, decidiu não curar, interrompendo o uso dos meios.

Geralmente, os milagres protagonizados pelos carismáticos são relacionados às manifestações psicossomáticas, ou seja, manifestações que têm origem psíquica. A mente humana tem uma influência incrível sobre o corpo. Estima-se que 80% das doenças têm alguma relação com o estresse. Com base nessa relação mente-corpo, estudos recentes têm comprovado a antiga ideia que tanto a doença quanto a cura podem ocorrer em decorrência de alguma influência psíquica. Diante disso, não há razão para qualquer surpresa de nossa parte, pois foi a sabedoria divina que criou tal relação. Ademais, as Escrituras asseveram que existe o efeito da mente sobre a saúde da pessoa (Pv 17.22). O que não se pode admitir é que melhoras de complicações psicossomáticas sejam milagres como os carismáticos colocam, já que causas naturais estão envolvidas. No efeito placebo, por exemplo, a confiança numa mera pílula de açúcar causa estímulos na mente do indivíduo a controlar a dor, chegando a ponto de curar algumas enfermidades de ordem funcional. No entanto, curas psicossomáticas não envolvem curas de doenças orgânicas, tal como a cegueira. Portanto, não é sem razão que geralmente as “curas carismáticas” são caracterizadas por temporárias.

Os milagres não eram necessariamente condicionados à fé

Os discípulos não tinham a fé que Cristo poderia alimentar uma multidão de cinco mil pessoas (Lc 9.12-14); apesar disso, sobraram. Houve ainda o caso em que um paralítico foi curado não por sua fé, mas pela fé daqueles que o acompanhavam (Mc 2.5). Ademais, existiram casos em que não havia como exigir fé, tais como as ressurreições (Jo 11; Lc 7; Mt 9). Geisler observou bem que, dos 35 milagres de Jesus registrados nos Evangelhos, somente em 10 a fé do agraciado é mencionada.39 Na realidade, em certos casos, a fé é o resultado do milagre, e não o contrário (Jo 2.9-11).40 Embora o texto não afirme, é de se esperar que nem todas as pessoas de uma determinada região cressem em Jesus. Porém, os apóstolos curaram todas as pessoas trazidas a eles em uma região (At 28.9).

As curas não ocorriam em cultos, mas eram públicos

A cura tem se tornado um elemento de culto para os carismáticos. Em seus cultos sempre há o momento da cura. No entanto, nas Escrituras, há somente uma única menção de cura entrementes ao culto. Foi o caso da ressurreição do jovem Êutico por parte do apóstolo Paulo (At 20.7-12). Tal procedimento não estava programado no culto daqueles irmãos. Paulo não foi de prévio aviso para aquele culto com a finalidade de operar milagres, mas de adorar a Deus. Por sinal, Êutico não foi para o culto para morrer e ser ressuscitado. A ocorrência desse milagre se deu devido às circunstâncias, e não por causa do culto em si. Adicionado a esse fato, está claro que o culto foi interrompido com a tragédia, tendo o seu andamento novamente quando Paulo, “subindo de novo, partiu o pão, e comeu” – uma referência ao elemento da ceia do Senhor (At 20.11).

Por outro lado, dentro de seus períodos, os milagres foram, em muitas vezes, realizados às vistas dos duvidosos ou dos incrédulos. Por diversas vezes, os mesmos ocorreram em meio às plateias que eram naturalmente adversas a nova mensagem do Evangelho. Há alguma razão para os carismáticos não operarem seus prodígios numa universidade secular? De fato, os crentes não carecem de provas que Jesus é o Cristo enviado por Deus, uma vez que eles já creem.

 NOTAS:
  1. Devido a essa dificuldade, alguns defendem que não há possibilidade de destacar qualquer característica dos milagres, além da sua ocorrência inusitada. Gordon Clark, por exemplo, defende que não existe uma característica homogênea em todos os milagres, além de “que os milagres não são comuns e são maravilhosos”. CLARK, G. H. Milagres. In: TENNEY, Merril C. (Ed.). Enciclopédia da Bíblia. São Paulo: Cultura Cristã, 2008, v. 4, p. 277.
  2. Sobre esse ponto, é comum contra argumentar baseado no relato da cura do cego de Betsaida, visto que o mesmo ocorreu em dois momentos (Mc 8.23-25). No entanto, esse texto não dá base para isso por duas razões. Primeiramente, os dois momentos da cura foram inter-relacionados. Não é sem razão que, após o primeiro toque, Jesus perguntou se o cego estava vendo para, somente então, curá-lo definitivamente, sem perguntar mais nada. Em segundo lugar, como já foi destacado na primeira característica, os milagres de Jesus carregavam significados, e não meras demonstrações de poder sobrenatural. Ele queria falar sobre a cegueira espiritual das pessoas com relação a seu respeito (veja vs. 26-29).
  3. GEISLER, Norman. Enciclopédia de apologética. São Paulo: Editora Vida, 2002, p. 573. Evidentemente, aqueles que foram ressuscitados morreram novamente. No entanto, isso não ocorreu devido o milagre ter sido anulado. A promessa de Deus é que somente haverá a ressurreição final e definitiva na segunda vinda de Cristo (1Co 15.52-53).
  4. GEISLER, 2002, p. 229.
  5. O texto de Mt 13.58 pode ser evocado para contrariar esse pensamento. No entanto, a passagem sinótica de Mc 6.5 tira qualquer dúvida que os milagres de Cristo eram condicionados à fé das pessoas.


Autor: Jefté Alves de Assis
Trecho extraído do ensaio O DESÍGNIO REVELATÓRIO DE DEUS PARA OS FEITOS MILAGROSOS: Uma avaliação da doutrina carismática da contemporaneidade da providência extraordinária.
http://monergismo.com/wp-content/uploads/designio-revelatorio-milagrosos_jefte.pdf