Em Cristo estão escondidos todos os tesouros da sabedoria e do conhecimento. (Colossenses 2:3)

Ninguém vos engane com palavras vãs; porque por essas coisas vem a ira de Deus sobre os filhos da desobediência.(Efésios5:6)
Digo isso a vocês para que não deixem que ninguém os engane com argumentos falsos. (Colossenses 2:4)

7 de dezembro de 2018

Como o inferno glorifica a Deus?





Para entendermos a maneira como o inferno glorifica a Deus, precisamos ver o inferno à luz da grande história da Bíblia, do seu ponto de vista e da sua caracterização de Deus e do homem. 



A Grande História da Bíblia

A história da Bíblia, como todas as histórias, tem um começo, um meio e um fim.

O começo


Deus cria um lugar perfeito e coloca nele um homem e uma mulher inocentes. Deus estabelece os termos e afirma, com clareza, a consequência de transgredirem seus termos. Um inimigo mente para a mulher inocente. Ela acredita na mentira, quebra os termos de Deus, e o homem a acompanha no pecado. Deus amaldiçoa o inimigo e dá início às consequências da transgressão, amaldiçoando também a terra. Na maldição lançada sobre o inimigo, Deus afirma que o descendente da mulher ferirá a cabeça do inimigo, enquanto o inimigo ferirá o calcanhar do descendente. O homem e a mulher são banidos do lugar perfeito.

Meio

A humanidade foi dividida em dois grupos: a descendência da mulher e a descendência da serpente, os justos e os ímpios. Os descendentes da mulher são inicialmente um subconjunto da nação de Israel, uma linhagem de descendentes que Deus escolheu abençoar. Eles experimentam um refazer do começo da história. Deus os coloca em uma terra prometida e estabelece os termos. Eles quebram os termos e são banidos dessa terra, mas Deus continua a prometer que o inimigo será derrotado, ainda que isso tenha que acontecer por meio de um doloroso derramamento de sangue do descendente da mulher.

Então, Jesus vem como o descendente prometido da mulher. Ele esmaga a cabeça do inimigo, e o inimigo fere o seu calcanhar – Jesus morre na cruz. Por ser ele inocente e haver resistido a todas as tentações, a morte não pode retê-lo. Jesus vence triunfantemente a morte, satisfazendo a justiça de Deus contra o pecado e abrindo o caminho de salvação para todos os que crerão nele.

Fim

A criação será como uma mulher que sofre dores em trabalho de parto: os ímpios atacarão perversamente os justos, que confiam em Deus e dão testemunho da verdade de Deus, até serem mortos. Isto continuará até que Jesus venha de novo. Quando Jesus vier de novo, julgará os ímpios e os enviará à punição eterna. Ele levará aqueles que creram na Palavra de Deus e no testemunho de Jesus para um novo lugar perfeito.

A Bíblia nos Dá o Ponto de Vista de Deus…

Esta história não é simplesmente uma história; ela apresenta o ponto de vista de Deus sobre o mundo. Pense comigo no ponto de vista da Bíblia, a perspectiva dos autores bíblicos.

O ponto de vista deles é que Deus estabelece os termos e que Deus sempre está certo. Aqueles que rejeitam os termos de Deus estão errados e enfrentam as consequências que Deus afirmou quando estabeleceu os termos. Além disso, a Bíblia não somente representa o ponto de vista dos autores bíblicos, mas também reivindica falar por Deus. Ou seja, a Bíblia reivindica apresentar o ponto de vista de Deus sobre o assunto.

…Sobre Deus, o Homem e o Nosso Estado Diante de Deus

Como são apresentados os personagens na Bíblia? Eles são apresentados principalmente por suas palavras e ações, mas a Bíblia também avalia seus personagens. Pensemos brevemente como a Bíblia caracteriza Deus, os homens e Jesus.

A Bíblia ensina que Deus sempre faz e diz o que é correto. Ele sempre cumpre a sua Palavra. Nada pode frustrar o seu propósito. Deus é livre e bom. A Bíblia sempre justifica a Deus. Ou seja, a Bíblia sempre mostra que Deus é justo. Paradoxalmente, a Bíblia também mostra que Deus é misericordioso.

Por outro lado, todos os homens fazem e dizem o que é errado, o que revela falta de confiança em Deus. Por palavras e atos, os humanos transgridem os mandamentos de Deus. Os homens corromperam a boa criação de Deus, perverteram seus ótimos dons e, de toda maneira, têm atacado a Deus, que lhes dá vida e todas as coisas boas. Por isso, todos os humanos merecem condenação.

Como afirmamos antes, há dois grupos de humanos. Um grupo é caracterizado por confiar em Deus, concordar com seus termos, confessar que têm quebrado os termos, abandonar suas transgressões e procurar crer nas promessas de Deus, de modo que possam viver de acordo com os seus termos. O outro grupo rejeita Deus e seus termos, se recusa a admitir sua culpa, se recusa a abandonar o mal e se une ao inimigo.

Jesus mostrou por suas palavras e atos que era plenamente humano e plenamente Deus. Jesus nunca transgrediu os mandamentos de Deus. Ele resolveu o grave problema. Jesus se deu em favor de outros. Qualquer que se opõe a ele ou o rejeita está se opondo à bondade e ao amor e rejeitando-os. Qualquer que se opõe a ele e o rejeita merece condenação. Aqueles que o recebem e se unem a ele, fazem isso nos termos dele, que são os termos de Deus e envolvem confissão de pecado, arrependimento e confiança em Jesus.

Então, Como o Inferno Glorifica a Deus?

Como tudo isto nos ajuda a entender como o inferno glorifica a Deus?

Este mundo é a história de Deus. Ele falou e o trouxe à existência, e o mundo continua a existir porque Deus continua falando. O universo é sustentado pela palavra do poder de Deus. É a sua história. Ele é o Autor cujo ponto de vista é comunicado na Bíblia e cujas caracterizações definem os participantes no drama.

O inferno é um ato de Deus em cumprir sua Palavra. O fato de que Deus manda os ímpios para o inferno mostra que ele é fiel e justo. Se Deus não aplicasse os termos que ele mesmo estabeleceu, não cumpriria sua Palavra e seria infiel. Se Deus não enviasse os ímpios para o inferno, ele não manteria seu próprio padrão de justiça e não seria justo. Se Deus não punisse os rebeldes no inferno, os justos não seriam vindicados. De fato, se não houvesse realmente inferno, poderíamos concluir que os justos estavam errados por terem confiado em Deus.

No entanto, o inferno existe e os justos são sábios por confiar em Deus. O inferno mostra a glória da justiça de Deus. O inferno vindica aqueles que obedecem aos termos de Deus, ainda que sofram terrivelmente por fazerem isso. O inferno vindica os justos que foram perseguidos pelos ímpios. O inferno glorifica a Deus.

Você não concorda com isso? Pode muito bem se unir a Shere Khan em opor-se a Rudyard Kipling. Ou, de novo, poder ter tanta chance de mudar o enredo, o ponto de vista ou a definição dos personagens, quanto Sauron teve de mudar a mente de Tokien. Isso não acontecerá. Você é uma criatura na obra de arte do Criador. Aceite o fato. Ele é o Criador, não você. Quanto deveríamos levar a sério aqueles que se opõem ao inferno ou tentam reescrever a história para que o inferno não seja parte dela? Com tanta seriedade quanto tomamos Hamlet criticando a obra de Shakespeare. Hamlet não teve existência independente. Ele só poderia criticar Shakespeare se o autor decidisse escrever essa cena.

Deus criou um universo em que a sua misericórdia tem significado precisamente porque não anula a sua justiça. Para ser justo e demonstrar misericórdia, Deus tem que cumprir sua promessa de punir a transgressão. Na apresentação bíblica da verdadeira história do mundo, Deus mantém a justiça na cruz e no inferno. Jesus morreu na cruz para estabelecer a justiça de Deus e garantir que os que se arrependem do pecado e creem em Cristo recebam misericórdia que é também justa. Deus pune os ímpios no inferno para manter a justiça contra todos os que se recusam a arrepender-se do pecado e dar graças a ele.

Em resumo, o inferno glorifica a Deus porque:

· Mostra que Deus cumpre sua palavra;

· Mostra a infinita dignidade de Deus, a qual dura para sempre;

· Demonstra o poder de Deus em subjugar todos os que se rebelam contra ele;

· Mostra quão indizivelmente misericordioso ele é para com aqueles que confiam nele;

· Confirma a realidade do amor por trazer justiça contra aqueles que rejeitam a Deus, que é amor;

· Vindica todos os que sofreram por ouvir ou proclamar a verdade da Palavra de Deus;

· E mostra a enormidade do que Jesus realizou quando morreu para salvar, do inferno que mereciam, todos os que creriam nele. Se não houvesse o inferno, não haveria a necessidade da cruz.
Por: James M. Hamilton Jr. © Voltemos ao Evangelho. Website: voltemosaoevangelho.com. Traduzido com permissão. Original: Como o inferno glorifica a Deus?

James M. Hamilton Jr é professor associado de Teologia Bíblica no Southern Baptist Theological Seminary, em Louisville (Kentucky). É também pastor de pregação da Kenwood Baptist Church e autor do livro God´s Glory in Salvation through Judgment: A Biblical Theology (Crossway, 2010).




6 de dezembro de 2018

10 estratégias de Satanás contra sua vida





“… para que Satanás não alcance vantagem sobre nós, pois não lhe ignoramos os desígnios”. (2 Coríntios 2:11) 
Um dos fatos mais sérios sobre a vida é que todos os seres humanos têm um inimigo sobrenatural que tem como objetivo usar a dor e o prazer para nos tornar cegos, tolos e miseráveis – eternamente. A Bíblia identifica-o como “o grande dragão, a antiga serpente, que se chama diabo e Satanás, o sedutor” (Apocalipse 12:9-10), “o príncipe deste mundo” (João 12:31) e “o deus deste século” (2 Coríntios 4:4).

Ele é o nosso “adversário, anda em derredor, como leão que ruge procurando alguém para devorar” (1 Pedro 5:8). Contudo, no mais aterrorizante tipo de escravidão que existe, o mundo inteiro segue “o príncipe da potestade do ar, do espírito que agora atua nos filhos da desobediência” (Efésios 2:2). Ele é bem-sucedido em fazer com que seus súditos marchem rumo à destruição e eles levam consigo o maior número de pessoas possível.
O “bom combate” (1 Timóteo 1:18) inclui a resistência diária a esse inimigo (1 Pedro 5:9; Tiago 4:7), diariamente recusando-se a dar lugar a ele (Efésios 4:17) e diariamente se opondo às suas ciladas (Efésios 6:11). 

A coleira de Satanás – e a condenação iminente

Deus é soberano sobre Satanás. O diabo não tem carta branca para fazer o que quiser neste mundo. Ele está preso a uma coleira e não pode fazer nada que Deus não permita. Com efeito, ele precisa receber autorização – como no caso de Simão Preso que Jesus revelou: “Simão, Simão, eis que Satanás vos reclamou para vos peneirar como trigo!” (Lucas 22:31) E o caso de Jó: “Disse o SENHOR a Satanás: Eis que ele está em teu poder; mas poupa-lhe a vida”. (Jó 2:6)
Então, Deus evidentemente vê o papel de Satanás como essencial para os seus propósitos no mundo, pois, se Deus quisesse, Satanás seria lançado no lago de fogo agora e não somente na consumação dos séculos. “O diabo, o sedutor deles, foi lançado para dentro do lago de fogo… e serão atormentados de dia e de noite, pelos séculos dos séculos” (Apocalipse 20:10). Ele certamente será completamente derrotado, mas a hora ainda não chegou. 

Servo involuntário de nossa santificação 

Deus quer que a guerra com o inferno faça parte de nossos preparativos para o Céu. É o que chamamos de “bom combate” (1 Timóteo 1:18) e “boa milícia” (1 Timóteo 6:12). Não é bom porque podemos vir a morrer (é uma possibilidade real! – Apocalipse 2:10), mas porque essas lutas contra o fogo refinam o ouro da nossa fé (1 Pedro 1:7), na vida e na morte.

Deus é o grande General dessa guerra. Ele nos deu a oração para clamarmos por socorro: “Tomai… a espada do Espírito, que é a palavra de Deus; com toda oração e súplica, orando em todo tempo” (Efésios 6:17-18).
Ele vê o que acontece no território inimigo, conhece as estratégias exatas que serão usadas contra nós e escreveu-as em um manual de guerra “para que Satanás não alcance vantagem sobre nós”. A razão pela qual Satanás não alcançará vantagem sobre nós é que “não lhe ignoramos os desígnios” (2 Coríntios 2:11). 

Resumo dos desígnios de Satanás 

Se você precisa lembrar de quais são esses “desígnios”, aqui vai um resumo. Que Deus faça de você um poderoso guerreiro! “Bendito seja o SENHOR, rocha minha, que me adestra as mãos para a batalha e os dedos, para a guerra” (Salmo 144:1). 

1. Satanás mente e é o pai da mentira. 

“Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira” (João 8:44). Na primeira aparição de Satanás na Bíblia em Gênesis 3, as primeiras palavras em seus lábios lançam suspeitas contra a verdade (“É assim que Deus disse: Não comereis de toda árvore do jardim?”). Depois disso, suas palavras foram uma mentira sutil (“É certo que não morrereis”). João diz que Satanás “jamais se firmou na verdade, porque nele não há verdade” (João 8:44). Nós estamos lidando com a essência da mentira e do engano. 

2. Ele cega a mente dos incrédulos.

“O deus deste século cegou o entendimento dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo” (2 Coríntios 4:4). Então, ele não somente fala mentiras. Ele esconde a verdade. Ele nos impede de ver o tesouro do evangelho. Ele permite que vejamos os fatos, até as provas, mas não a preciosidade.

3. Ele se esconde atrás de uma fantasia de luz e justiça.

Em 2 Coríntios 11:13-15, Paulo diz que algumas pessoas se identificam como apóstolos sem realmente ser. Ele explica o seguinte: “O próprio Satanás se transforma em anjo de luz. Não é muito, pois, que os seus próprios ministros se transformem em ministros de justiça”.
Em outras palavras, Satanás tem servos que professam uma quantidade suficiente da verdade para entrar para a igreja e, dentro da igreja, ensinam o que Paulo chama de “doutrinas de demônios” (1 Timóteo 4:1). Jesus diz que serão como lobos disfarçados de ovelhas (Mateus 7:15). Atos 20:30 diz que eles não pouparão o rebanho, mas arrastarão as pessoas para a destruição. Sem o dom de Deus do discernimento (Filipenses 1:9), nosso amor será degenerado em estupidez. 

4. Satanás opera sinais e prodígios.

Em 2 Tessalonicenses 2:9, os últimos dias são descritos da seguinte maneira: “A vinda do iníquo segundo a ação de Satanás será com todo poder, e sinais, e prodígios da mentira”. Essa é a minha estranha tradução. Alguns traduzem como “falsos sinais e prodígios”. Mas isso faz com que os sinais e prodígios pareçam irreais. De fato, alguns argumentos que Satanás só é capaz de realizar falsos milagres. Eu duvido. Mas mesmo que isso fosse verdade, os falsos milagres dele seriam bons o suficiente para que pareçam reais para a maioria das pessoas.

Uma razão que me leva a duvidar que Satanás só seja capaz de realizar falsos milagres é que, em Mateus 24:24, Jesus descreve os últimos dias da seguinte maneira: “Surgirão falsos cristos e falsos profetas operando grandes sinais e prodígios para enganar, se possível, os próprios eleitos”. Não há indícios de que esses “sinais e prodígios” serão truques.
Que a sua confiança esteja fundamentada em algo muito mais profundo do que qualquer suposta incapacidade de Satanás de realizar sinais e prodígios. Sinais e prodígios realizados a serviço de declarações anticristãs não são capazes de provar nada, mesmo quando são realizados “em nome de Jesus”. “Senhor, Senhor! Em teu nome não fizemos muitos milagres?” E Jesus responderá: “Nunca vos conheci. Apartai-vos de mim, os que praticais a iniqüidade” (Mateus 7:22-23). O problema não foi que os sinais e prodígios não eram reais, mas que eles estavam a serviço do pecado. 

5. Satanás tenta as pessoas a pecar. 

Foi o que ele fez com Jesus no deserto, mas não foi bem-sucedido – ele queria que Jesus abandonasse o caminho do sofrimento e da obediência (Mateus 4:1-11). Foi o que ele fez com Judas e foi bem-sucedido nas últimas horas da vida de Jesus (Lucas 22:3-6). E em 2 Coríntios 11:3, Paulo alertou todos os crentes sobre essa possibilidade: “Mas receio que, assim como a serpente enganou a Eva com a sua astúcia, assim também seja corrompida a vossa mente e se aparte da simplicidade e pureza devidas a Cristo”. 

6. Satanás tira a Palavra de Deus dos corações das pessoas e sufocam a fé.

Jesus contou a parábola dos quatro solos em Marcos 4:1-9. Nessa parábola, a Palavra de Deus é semeada e uma parte caiu à beira do caminho e vieram as aves e a comeram. Ele explica no verso 15, “Logo vem Satanás e tira a palavra semeada neles”. Satanás rouba a Palavra porque ele odeia a fé que a Palavra produz (Romanos 10:17).
Paulo expressou sua preocupação com a fé dos Tessalonicenses da seguinte maneira: “Foi por isso que, já não me sendo possível continuar esperando, mandei indagar o estado da vossa fé, temendo que o Tentador vos provasse, e se tornasse inútil o nosso labor” (1 Tessalonicenses 3:5). Paulo sabia que o objetivo de Satanás era sufocar a fé das pessoas que tinham ouvido a Palavra de Deus. 

7. Satanás causa algumas doenças e enfermidades.

Certa vez, Jesus curou uma mulher que andava encurvada e não conseguia endireitar-se. Quando alguns criticaram Jesus por curar no sábado, ele respondeu: “Por que motivo não se devia livrar deste cativeiro, em dia de sábado, esta filha de Abraão, a quem Satanás trazia presa há dezoito anos?” (Lucas 13:16) Jesus via Satanás como aquele que tinha causado essa doença.

Em Atos 10:38, Pedro descreveu Jesus como aquele que “andou por toda parte, fazendo o bem e curando a todos os oprimidos do diabo”. Em outras palavras, o diabo frequentemente oprime as pessoas com enfermidades. Esse também é um dos seus desígnios.
Mas não cometa o erro de afirmar que toda doença é obra do diabo. Certamente, até quando Deus prepara um “espinho na carne” para nos santificar, é possível que também seja o “mensageiro de Satanás” (2 Coríntios 12:7). Mas há outras situações em que a doença é inteiramente atribuída a Deus sem qualquer referência a Satanás: “Respondeu Jesus: Nem ele pecou, nem seus pais; mas foi para que se manifestem nele as obras de Deus”. (João 9:3) Jesus não teve nenhuma necessidade de mencionar Satanás como um participante de seus misericordiosos propósitos. 

8. Satanás é um assassino.

Jesus disse para aqueles que planejavam matá-lo, “Vós sois do diabo, que é vosso pai, e quereis satisfazer-lhe os desejos. Ele foi homicida desde o princípio e jamais se firmou na verdade, porque nele não há verdade. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira” (João 8:44). João diz, “não segundo Caim, que era do Maligno e assassinou a seu irmão; e por que o assassinou? Porque as suas obras eram más, e as de seu irmão, justas” (1 João 3:12). Jesus disse para a irrepreensível igreja de Esmirna: “Eis que o diabo está para lançar em prisão alguns dentre vós… Sê fiel até à morte, e dar-te-ei a coroa da vida” (Apocalipse 2:10).
Resumindo, Satanás é sanguinário. Cristo veio ao mundo para que tivéssemos vida em abundância (João 10:10). Satanás vem para destruir o máximo de vidas que ele puder e para torná-las eternamente miseráveis. 

9. Satanás luta contra os planos dos missionários. 

Paulo explica como seus planos missionários foram frustrados: “Ora, nós, irmãos, orfanados, por breve tempo, de vossa presença, não, porém, do coração, com tanto mais empenho diligenciamos, com grande desejo, ir ver-vos pessoalmente… contudo, Satanás nos barrou o caminho” (1 Tessalonicenses 2:17-18). Satanás odeia o evangelismo e o discipulado e ele se esforça para colocar o máximo de obstáculos possíveis no caminho dos missionários e daqueles que tem zelo pelo evangelismo. 

10. Satanás acusa os cristãos diante de Deus. 

Apocalipse 12:10 diz, “Então, ouvi grande voz do céu, proclamando: Agora, veio a salvação, o poder, o reino do nosso Deus e a autoridade do seu Cristo, pois foi expulso o acusador de nossos irmãos, o mesmo que os acusa de dia e de noite, diante do nosso Deus”. A derrota de Satanás é certa. Mas as suas acusações não cessaram.
Acontece conosco o mesmo que aconteceu com Jó. Satanás fala com Deus contra nós, Eles não te amam de verdade; eles amam os teus benefícios. “Estende, porém, a mão, e toca-lhe em tudo quanto tem, e verás se não blasfema contra ti na tua face” (Jó 1:11). A fé deles não é real. Satanás nos acusa diante de Deus como ele fez com Jó. Mas é uma coisa gloriosa que os seguidores de Jesus têm um advogado que “vive sempre para interceder por eles” (Hebreus 7:25). 

Satanás Não Vencerá 

Esses são alguns designíos de Satanás. O caminho para a vitória nessa guerra é perseverar em Cristo, que aquele que já deu o golpe decisivo em Satanás. 

  • “Aquele que pratica o pecado procede do diabo, porque o diabo vive pecando desde o princípio. Para isto se manifestou o Filho de Deus: para destruir as obras do diabo”. (1 João 3:8)
  • “Visto, pois, que os filhos têm participação comum de carne e sangue, destes também ele, igualmente, participou, para que, por sua morte, destruísse aquele que tem o poder da morte, a saber, o diabo”. (Hebreus 2:14)
  • “…e, despojando os principados e as potestades, publicamente os expôs ao desprezo, triunfando deles na cruz”. (Colossenses 2:15) Em outras palavras, o golpe decisivo aconteceu no Calvário.
  • “Ninguém pode entrar na casa do valente para roubar-lhe os bens, sem primeiro amarrá-lo; e só então lhe saqueará a casa”. (Marcos 3:27)

Apocalipse 20:10 diz que um dia a guerra chegará ao fim: “O diabo… [será] lançado para dentro do lago de fogo e enxofre… e serão atormentados de dia e de noite, pelos séculos dos séculos”. (Conferir Mateus 8:29; 25:41). 

Resista!

Tiago diz, “Resisti ao diabo, e ele fugirá de vós” (Tiago 4:7). Como podemos fazer isso? Em Apocalipse 12:11, foi da seguinte maneira: “Eles, pois, o venceram por causa do sangue do Cordeiro e por causa da palavra do testemunho que deram e, mesmo em face da morte, não amaram a própria vida”. Eles abraçaram o triunfo de Cristo através de seu sangue. Eles proclamaram essa verdade pela fé. Eles não temeram a morte. E eles triunfaram.

O Novo Testamento destaca a oração como o principal acompanhante de cada batalha. “Tomai também o capacete da salvação e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus; com toda oração e súplica, orando em todo tempo no Espírito e para isto vigiando com toda perseverança e súplica”. (Efésios 6:17-18)

Enquanto o fim dos séculos se aproxima e a fúria de Satanás aumenta, Jesus nos chama para guerrear em oração: “Vigiai, pois, a todo tempo, orando, para que possais escapar de todas estas coisas que têm de suceder e estar em pé na presença do Filho do Homem” (Lucas 21:36). Semelhantemente, Pedro faz um apelo urgente à oração no fim dos tempos: “Ora, o fim de todas as coisas está próximo; sede, portanto, criteriosos e sóbrios a bem das vossas orações” (1 Pedro 4:7).

Até Jesus usou a arma da oração para lutar por nós contra o diabo. Ele disse a Pedro em Lucas 22:31-32, “Simão, Simão, eis que Satanás vos reclamou para vos peneirar como trigo! Eu, porém, roguei por ti, para que a tua fé não desfaleça” (Lucas 22:31-32). Então, Jesus se opõe a uma ameaça satânica específica através da oração e isso serve de exemplo para nós.

E, é claro, Jesus nos instruiu a fazer da oração uma arma diária para a proteção de forma geral: “E não nos deixes cair em tentação; mas livra-nos do mal” (Mateus 6:13). Isto é, livra-nos da tentação bem-sucedida do maligno. Você confronta os designíos do diabo através do poder da oração focada e perseverante? 

Sem Neutralidade

A questão não é se você quer participar dessa guerra. Todo mundo participa. Ou nós somos derrotados pelo diabo e seguimos “o príncipe da potestade do ar” (Efésios 2:2) como gado para o matadouro, ou nós resistimos – “resisti-lhe firmes na fé” (1 Pedro 5:9).

Não há neutralidade. Ou você triunfa “por causa do sangue do Cordeiro e por causa da palavra do testemunho”, ou você será escravizado por Satanás. Portanto, “participa dos sofrimentos como bom soldado de Cristo Jesus” (2 Timóteo 2:3) e “combate o bom combate” (1 Timóteo 1:18). Orai sem cessar!

O SENHOR não é menos guerreiro hoje do que nos tempos antigos. Então, novamente, eu imploro: venha a ele de coração como soldados do Príncipe da Paz e aprenda a dizer, ele “adestra as mãos para a batalha” (Salmo 144:1).



Por: John Piper. © Desiring God Foundation. Website: desiringGod.org. Traduzido com permissão. Fonte: Satan’s Ten Strategies Against You.

Original: 10 estratégias de Satanás contra sua vida. © Voltemos ao Evangelho. Website: voltemosaoevangelho.com. Todos os direitos reservados. Tradução: Frank Brito. Revisão: Vinicius Musselman Pimentel.

John Piper é doutor em Teologia pela Universidade de Munique e fundador do desiringGod.org e chanceler no Bethlehem College & Seminary. Ele serviu por 33 anos como pastor principal da Bethlehem Baptist Church em Minneapolis, Minnesota. Piper é autor de diversos livros, incluindo Uma Glória Peculiar (Fiel) e Em busca de Deus (Shedd).


5 de dezembro de 2018

Onde Fica o Mar Vermelho? Como Israel Atravessou o Mar Vermelho?




O Mar Vermelho é uma grande baía do oceano Índico localizada entre a Arábia e a África. O Mar Vermelho na Bíblia é conhecido especialmente por causa da milagrosa abertura de suas águas. A travessia do Mar Vermelho pelo povo de Israel sob a liderança de Moisés é uma das histórias bíblicas mais conhecidas.

O significado do nome do Mar Vermelho é bastante discutido. O Antigo Testamento emprega o hebraico yam suph que significa “Mar de Juncos” ou “Mar do Fim” para designar, provavelmente, toda a extensão do Mar Vermelho; incluindo seus golfos e até a região dos lagos além dele. Por isto é difícil de explicar a designação “Mar Vermelho”.

Alguns estudiosos acreditam que talvez o nome Mar Vermelho faça referência ao reflexo das montanhas avermelhadas de granito nas águas. Outros sugerem que talvez o nome tenha origem nos corais vermelhos que podem ser encontrados nas praias do mar. Há ainda quem considere que o nome Mar Vermelho tenha alguma conexão com a cor da pele avermelhada dos povos que habitavam aquela região na Antiguidade, como por exemplo, os edomitas.

Como é o Mar Vermelho? Qual é a sua localização?

O Mar Vermelho é um golfo que tem cerca de 2.400 quilômetros de comprimento e aproximadamente 240 quilômetros de largura. Ao norte, o Mar Vermelho termina numa bifurcação (Y). Cada uma de suas pontas formam pequenos golfos.

A ponta oriental é chamada de Golfo de Ácaba, e possui em torno de 160 quilômetros de extensão. O Golfo de Ácaba faz fronteira com a Arábia Saudita a leste, e com a Península do Sinai a oeste; e se junta ao vale que se estende até o Mar Morto. Em uma de suas margens estão algumas ruínas que acredita-se ser dos portos do rei Salomão (cf. 1 Reis 9:26).

A ponta ocidental é chamada de Golfo de Suez. Essa ponta possui aproximadamente 300 quilômetros de comprimento por 32 quilômetros de largura. Provavelmente nos tempos bíblicos do Antigo Testamento, o Golfo de Suez se estendia ainda mais ao norte, incluindo uma região de lagos. Nessa região estão os chamados Lagos Amargos e o Lago Menzaleh. As praias desses lagos são repletas de juntos, e talvez possam servir para explicar o antigo nome “Mar de Juncos”.

A travessia do Mar Vermelho

A Bíblia diz que o Mar Vermelho foi atravessado pelos israelitas durante o êxodo do Egito. Sob a liderança de Moisés, o povo de Israel partiu do Egito após as dez pragas. Mas tão logo os israelitas foram perseguidos pelo exército de faraó. Quando eles chegaram à margem do Mar Vermelho, eles pensaram que morreriam e começaram a reclamar muito (Êxodo 14:11,12).

Moisés acalmou o povo dizendo que Deus lhes daria o livramento. Então o Senhor ordenou a Moisés que dissesse aos israelitas que seguissem avante. Foi aí que Deus falou a Moisés que ele deveria erguer sua vara e estender sua mão sobre o mar, e as águas seriam divididas.

Moisés fez conforme Deus lhe falou. De um modo sobrenatural, Deus abriu as águas do mar com um forte vento oriental que soprou a noite toda. Assim os israelitas atravessaram o Mar Vermelho em terra seca. Quando o povo de Israel terminou de passar pelo mar, as águas se fecharam e os egípcios que vinham logo atrás foram destruídos (Êxodo 14:21-29).

A travessia do Mar Vermelho sempre foi alvo de muitos debates e especulação, sobretudo pela identificação do lugar em que as águas se abriram. De acordo com a passagem bíblica, obviamente os israelitas não atravessaram o centro do Mar Vermelho em si, pois a travessia durou apenas uma noite. Além disso, essa possibilidade também seria impossível geograficamente, pois não se harmoniza com a rota do êxodo.

Então provavelmente os israelitas atravessaram um dos braços do Mar Vermelho. A maior parte dos estudiosos acredita que os israelitas atravessaram o Golfo de Suez que possivelmente se unia ao norte aos Lagos Amargos.

Seja como for, mais importante do que saber onde foi a travessia do Mar Vermelho é saber que esse milagre de fato ocorreu. De forma sobrenatural Deus revelou ser soberano sobre as forças da natureza e dividiu as águas num lugar onde havia profundidade suficiente para que todo o exército de faraó fosse afogado.


https://estiloadoracao.com/mar-vermelho/?fbclid=IwAR2cx4ADxqX6W8SnLm3DayfGB6RWDOLFAmHv6ACd5tjIWFgI2cAupiJD9rU


4 de dezembro de 2018

Por que Deus permite o mal?





A Bíblia descreve Deus como sendo santo (Isaías 6:3), justo (Salmo 7:11), reto (Deuteronômio 32:4) e soberano (Daniel 4:17-25). Esses atributos nos dizem o seguinte sobre Deus: (1) Deus é capaz de prevenir o mal, e (2) Deus deseja eliminar o mal do universo. Assim, se ambos são verdadeiros, por que Deus permite o mal? Se Deus tem o poder de prevenir o mal, e deseja fazê-lo, por que não o faz? Talvez uma boa maneira de encarar esse dilema seria considerar algumas situações alternativas de como as pessoas gostariam que Deus dirigisse o mundo:

1) Deus poderia mudar a personalidade de todas as pessoas para que não pudessem pecar. Isto também significaria que não teríamos o livre arbítrio. Não seríamos capazes de escolher entre o certo e o errado porque seríamos "programados" para apenas agir corretamente. Se Deus tivesse escolhido fazer isso, não haveria relações significativas entre Ele e a Sua criação.

Em vez disso, Deus fez Adão e Eva inocentes mas com a capacidade de escolher o bem ou o mal. Sendo assim, eles poderiam responder ao Seu amor e confiar nEle ou escolher a sua própria vontade. De fato, escolheram satisfazer a sua própria vontade. Porque vivemos em um mundo real onde podemos escolher as nossas ações mas não as suas consequências, o seu pecado afetou aqueles que vieram depois deles (nós). Da mesma forma, as nossas escolhas de pecar têm um impacto sobre nós e sobre aqueles que nos rodeiam.

2) Como uma outra opção, Deus compensaria pelas ações perversas através de uma intervenção sobrenatural 100% do tempo. Por exemplo, se um motorista embriagado provocasse um acidente automobilístico, Deus teria que proteger o motorista e as pessoas no outro carro de qualquer dano, pois haveria muitas pessoas que possivelmente sofreriam pelo acidente ou pela morte/ ferimentos dos envolvidos no acidente. Deus teria que proteger o motorista bêbado de bater nos postes de alta tensão, prédios, etc., porque essas coisas fariam com que pessoas inocentes sofressem.

Um outro exemplo pode envolver uma pessoa preguiçosa fazendo o encanamento de uma casa, e ele não se preocupa em verificar se há vazamentos antes da casa ser terminada. Deus teria que fazer que o encanamento não vazasse porque senão os compradores da casa teriam que sofrer por causa do pecado da pessoa preguiçosa.

Se um pai se viciasse em drogas e gastasse todo o seu dinheiro nesse vício, Deus de alguma forma teria tanto que milagrosamente proporcionar a comida quanto cuidar das necessidades sociais das crianças para que não tivessem que ser adversamente afetadas pelo mal do pai.

Em um mundo assim, Deus seria como um mau pai que permite um comportamento destrutivo de um filho desobediente. Não haveria consequências por suas ações e, como resultado, ninguém aprenderia integridade, pureza, honra, responsabilidade ou auto-controle. Não haveria "consequências boas" pelo comportamento correto, nem "consequências más" pelo comportamento errado. O que as pessoas se tornariam além de mais rebeldes e pecadoras?

3) Uma outra opção seria que Deus julgasse e removesse aqueles que escolhem cometer atos maus. O problema com esta possibilidade é que não sobraria mais ninguém, pois Deus teria que remover todos nós. Todos pecamos e cometemos atos maus (Romanos 3:23; Eclesiastes 7:20, 1 João 1:8). Embora algumas pessoas sejam mais perversas do que outras, onde Deus traçaria a linha? Em última análise, todas as perversidades causam danos a outras pessoas.

Em vez dessas ou outras opções, Deus escolheu criar um mundo "real" no qual as escolhas reais têm consequências reais. Neste nosso mundo real, as nossas ações afetam outras pessoas. Porque Adão escolheu pecar, o mundo hoje vive sob uma maldição e todos nascemos com uma natureza pecaminosa (Romanos 5:12). Haverá um dia quando Deus julgará o pecado no mundo e renovará todas as coisas, mas Ele está propositalmente "atrasando" a fim de permitir mais tempo para que as pessoas se arrependam e não precisem mais ser julgadas por Ele (2 Pedro 3:9). Até então, Ele SE PREOCUPA com o mal. Ao criar as leis do Antigo Testamento, Ele estabeleceu leis que desencorajassem e punissem o mal. Ele julgou as nações e os reis que desprezavam a justiça e buscavam o mal. Da mesma forma no Novo Testamento, Deus afirma que o governo tem a responsabilidade de prover a justiça a fim de proteger os inocentes do mal (Romanos 13). Ele promete também graves consequências aos que cometem atos malignos, especialmente contra os "inocentes" (Marcos 9:36-42).

Em resumo, vivemos em um mundo real onde as nossas boas e más ações têm consequências diretas e indiretas sobre nós e sobre os que nos rodeiam. Deus deseja a nossa obediência para o nosso bem, para que “bem lhes fosse a eles e a seus filhos para sempre” (Deuteronômio 5:29). Em vez disso, o que acontece é que escolhemos o nosso próprio caminho e então culpamos a Deus por não fazer nada sobre isso. Tal é o coração do homem pecador. Entretanto, Jesus veio para mudar os corações dos homens através do poder do Espírito Santo. Assim Jesus é capaz de agir a favor dos que se voltam contra o pecado e clamam a Ele para que os salve do pecado e das suas consequências (2 Coríntios 5:17). Deus previne e restringe alguns atos de maldade. Este mundo seria MUITO PIOR se o Senhor não estivesse restringindo o mal. Ao mesmo tempo, Deus nos deu a capacidade de escolher entre o bem e o mal, e quando escolhemos o mal, Ele permite que nós e os que nos rodeiam soframos as suas consequências. Ao invés de culpar e questionar a Deus sobre os Seus motivos para não impedir todo o mal, deveríamos nos ocupar com a proclamação da cura ao mal e suas consequências - Jesus Cristo!


English


3 de dezembro de 2018

Deus criou o mal?


http://www.yelbosco.com/wp-content/uploads/2017/01/entre-o-bem-eo-mal.jpg


À primeira vista pode parecer que, se Deus criou todas as coisas, então deve também ter criado o mal. Entretanto, há aqui um pressuposto que deve ser esclarecido. O mal não é uma “coisa”, como uma pedra ou a eletricidade. Você não pode ter um pote de mal! Mas o mal é algo que acontece, como o ato de correr. O mal não tem uma existência própria, mas na verdade, é a ausência do bem. Por exemplo, os buracos são reais, mas somente existem em outra coisa. À ausência de terra, damos o nome de buraco, mas o buraco não pode ser separado da terra. Quando Deus criou todas as coisas, é verdade que tudo o que existia era bom. Uma das boas coisas criadas por Deus foram criaturas que tinham a liberdade em escolher o bem. Para que tivessem uma real escolha, Deus deveria permitir a existência de algo além do bem para escolher. Então Deus permitiu que esses anjos livres e humanos escolhessem o bem ou o não-bem (mal). Quando um mau relacionamento existe entre duas coisas boas, a isso chamamos de mal, mas não se torna uma “coisa” que exige ter sido criada por Deus.

Examine o exemplo de Jó em Jó capítulos 1 e 2. Satanás quis destruir Jó, e Deus permitiu que Satanás fizesse tudo, exceto matá-lo. Deus permitiu que isto acontecesse para provar a Satanás que Jó era reto porque amava a Deus, e não porque Deus o tinha tão ricamente abençoado. Deus é soberano, e no controle máximo de tudo o que acontece. Satanás nada pode fazer a não ser que tenha a “permissão” de Deus. Deus não criou o mal, mas Ele permite o mal. Se Deus não houvesse permitido a possibilidade do mal, tanto a espécie humana quanto os anjos estariam servindo a Deus por obrigação, não por escolha. Ele não quis “robôs” que simplesmente fizessem o que Ele gostaria que fizessem por causa de sua “programação”.

A resposta que a Bíblia nos dá é: Deus tem um propósito perfeitamente bom para a existência do mal. Vejamos a seguir. A Bíblia não só ensina que Deus sabe de todas as coisas, mas que Ele determinou, com precisão, o Seu plano para toda a história do universo. Deus detalhadamente determinou a existência e história para cada criatura desde antes da criação. Ele escreveu a história do mundo para a Sua glória, de sorte que tudo ocorre de acordo com o Seu perfeito plano e nada acontece sem ser previamente decretado por Deus. Em Isaías 46:9-10, Deus apresenta como evidência de Sua divindade o fato de que Ele tem determinado e declarado o fim desde o início. Ele diz: “...Eu sou Deus, e não há outro semelhante a mim... o meu conselho permanecerá de pé, farei toda a minha vontade” (Isaías 46:10).

Não existe um átomo sequer em todo o universo que não esteja a cada momento sendo sustentado e guiado por Deus. Em Colossenses 1:16-17, Paulo diz: “...Tudo foi criado por meio dele e para Ele... Nele, tudo subsiste.” Hebreus 1:3 explicitamente diz que Ele “sustenta todas as coisas pela palavra do Seu poder.” Vimos então que Deus tem planejado e determinado o percurso de toda a criação (incluindo Satanás e todas as suas ações, como sua queda e as tentações que ele apresenta a nós, seres humanos). O mal que existe hoje não ocorre por acidente, mas porque Deus tem determinado em Seu perfeito plano que deveria ser assim. Isto pode ser surpreendente ou até vergonhoso para muitos, mas para Deus, não. Ele diz: “Eu formo a luz e crio as trevas; faço a paz e crio o mal; eu, o SENHOR, faço todas estas cousas (Isaías 45:7). É notável que neste versículo Ele até usa o verbo mais forte (bara no Hebraico é a mesma palavra usada em Gênesis 1:1) para referir-se ao Seu envolvimento intencional com o mal. De fato, Ele até apresenta isto como evidência de Sua divindade, em contraste com os ídolos que são incapazes de fazer bem ou mal (Isaías 41:23). O inspirado profeta Jeremias apresenta a pergunta retórica: “Quem é aquele que diz, e assim acontece, quando o Senhor o não mande? Acaso, não procede do Altíssimo tanto o mal como o bem?” (Lamentações 3:37-38). É claro que a resposta esperada é que nada de bom ou mau ocorre sem que proceda de Deus. Semelhantemente, o profeta Amós pergunta: “Sucederá algum mal à cidade, sem que o SENHOR o tenha feito?” (Amós 3:6).

Basicamente, não há uma resposta a estas perguntas que possamos compreender totalmente. Como seres humanos limitados, jamais podemos compreender inteiramente um Deus infinito (Romanos 11:33-34). Às vezes pensamos que compreendemos por que Deus faz determinada coisa, e mais tarde descobrimos que era para um propósito diferente daquele que havíamos pensado. Deus vê as coisas sob uma perspectiva eterna. Nós vemos as coisas sob uma perspectiva terrena. Infelizmente, por natureza, preferimos a nossa própria concepção de Deus àquela do Deus verdadeiro.

Concluindo, a Bíblia ensina claramente que tudo que Deus criou era “muito bom” (Gênesis 1:31). Semelhantemente, a Bíblia termina descrevendo em Apocalipse 21 e 22 um período futuro quando tudo voltará a ser muito bom. Apocalipse 21:4 diz: “E lhes enxugará dos olhos toda lágrima, e a morte já não existirá, já não haverá luto, nem pranto, nem dor, porque as primeiras cousas passaram.” Isto significa que quase toda a Bíblia, de Gênesis 3 a Apocalipse 20, trata do tempo quando o mal existe. Este é o tempo em que nós vivemos. Entretanto, é confortador, mesmo quando entendemos pouco do propósito de Deus para o mal, saber que tudo começou “muito bom” e há de terminar assim também!