Em Cristo estão escondidos todos os tesouros da sabedoria e do conhecimento. (Colossenses 2:3)


Ninguém vos engane com palavras vãs;
porque por essas coisas vem a ira de Deus
sobre os filhos da desobediência.
(Efésios5:6)
Digo isso a vocês para que não deixem que ninguém
os engane com argumentos falsos.
(Colossenses 2:4)

26 de abril de 2012

Nomes de Deus



Antes de nos empenharmos na escolha de um nome para o filho que acaba de chegar, simplesmente por achá-lo bonito, ou por uma vaidade infundada, deveríamos nos perguntar: “Este nome 'poderá' honrar o Nome de Deus, Daquele que está dando a vida a esta criança?!". Vale ressaltar que existem pessoas (inúmeras) que não são dignas sequer do nome que têm. O que desejamos com o levantamento abaixo listado é focalizar o nome quando atribuído a Deus e aprender sobre a importância deles para o nosso entendimento espiritual. Desejamos que pelos seus significados possamos compreender um pouco da grandeza do nosso Deus.

O nome, por uma questão lógica, “deveria” expressar a personalidade da pessoa que o detém, algo como um título, pois o significado do nome (se houver) “poderá” ser o reflexo do seu caráter, em particular (I Sm 25:25 e Mt 1:21).  Em se tratando do “sobrenome”, este não era comumente usado nos tempos antigos, fato facilmente constatado nas Escrituras, que é o objeto do nosso foco. Nomes como “Abraão”, “Jacó”, “Ruth” seguiam o costume daqueles tempos de se fazer acrescentar algo que o distinguisse dos demais, a exemplo de José, um nome muito comum nos dias do Senhor Jesus, que profeticamente ficou conhecido como “Jesus de Nazaré” (Mt 2:23 e Lc 4:16), aludindo ao local onde fora criado; Paulo, antes da sua conversão, era conhecido como “Saulo de Tarso”; o primeiro homem criado por Deus, Adão, expressava o que era pelo significado do seu nome: “da terra, ou tirado da terra vermelha”, indicando a sua origem.

No livro do Apocalipse temos o seguinte verso:
“(...) e dar-lhe-ei uma pedra branca, e na pedra um novo nome escrito, o qual ninguém conhece senão aquele que o recebe” (Ap 2:17).
São palavras que refletem a importância do nome para alguém que deseja honrar a Deus. Vejamos uma coletânea de nomes atribuídos a Deus dentro do contexto histórico das Escrituras.

NOMES GENÉRICOS
Segundo os dicionários, genérico é tudo aquilo que é tratado de forma generalizada, não sendo peculiar ou específico a uma única coisa. Tais nomes podem ser usados tanto pelo Deus verdadeiro, como por falsos deuses, englobando ambos os gêneros, ou seja, masculino ou feminino. Dentro das Escrituras, temos:
  • Elohim (plural) e Eloah (singular): Fala de Deus tendo o Seu poder criativo e onipotência de forma intrínseca.
É o primeiro nome que surge nas Escrituras:
“No princípio criou Deus (Elohim) os céus e a terra” (Gn 1:1)
Elohim é citado 2.498 vezes e Eloah é citado 57 vezes. Desse total apenas 245 não se refere ao verdadeiro Deus de Israel. Esse substantivo vem do verbo hebraico Aláh (Alá, nome típico entre os Muçulmanos), significando “ser adorado, temido e reverenciado, ser excelente”.
  • El : Deus, como “Aquele que vai adiante ou inicia as coisas”.
Este nome é apresentado apenas no singular e num total de 250 vezes, sendo muitíssimo conhecido pelos povos de língua Semita. Pode ser usado como “deus” para divindades falsas, como também “Deus” para o verdadeiro Deus de Israel. Poucas vezes foi usado para significar “o poderoso”, mas apenas para homens e anjos. Normalmente aparece sozinho, mas foi combinado formando termos compostos com o sentido de deidade, ofício, natureza ou atributos do Deus verdadeiro.
  • El-Berit : Deus que faz pacto ou aliança (Gn 31:13, 35:1-3);
  • El-Elyon : Deus Altíssimo (Gn 14:17-20).
Elyon é um adjetivo que deriva do verbo hebraico Aláh sendo usado para coisas. Seu significado é: “subir, mais alto, mais elevado, superior”. É utilizado para referir-se a Deus e ganha o significado de “o excelente, o alto, o Deus glorioso”.
  • El-Ne‘eman : Deus de Graça e Misericórdia (Dt 7:9);
  • El-Nosse : Deus de Compaixão (Sl 99:8);
  • El-Olan : Deus Eterno, da Eternidade (Gn 21:33);
  • El-Qana : Deus Zeloso (Ex 20:5; 34:14);
  • El-Ro‘i : Deus da Vista (Gn 16:13);
  • El-Sale‘i : Deus é Minha Rocha, o Meu Refúgio (Sl 42:9-10).

NOMES ESPECÍFICOS
Totalmente contrário aos genéricos, os nomes específicos de Deus são utilizados nas Escrituras para o único Deus verdadeiro, jamais sendo utilizados para outras divindades.
  • Shadday : Todo-Poderoso
Tanto pode aparecer sozinho (Gn 49:24 - Em Jó é citado 31 vezes), como utilizando “El” para obter a forma composta El-Shadday que tem o significado de “Deus Todo-Poderoso” (Gn 17:7; 28:3; 35:11; 43:14; 48:3; Ex 6:3 e Ez 10:5). Encontramos na Vulgata Latina sua tradução por Omnipotens, e na Septuaginta como Pantokrator.
  • Adonay : Senhor
Passaram a utilizar Adonay em serviços religiosos e há’Shem para conversas informais devido à Lei explícita:
“Não tomarás o nome do Senhor teu Deus em vão; porque o Senhor não terá por inocente aquele que tomar o seu nome em vão” (Ex 20:7) e, “E aquele que blasfemar o nome do Senhor, certamente será morto; toda a congregação certamente o apedrejará. Tanto o estrangeiro como o natural, que blasfemar o nome do Senhor, será morto” (Lv 24:16).
Nunca o tetragrama YHWH
  • YHWH : Senhor
Muitos textos são publicados seguindo um “ciclo vicioso de cópia” sem a preocupação básica de resguardar qual seja realmente a forma correta de se escrever o nome de Deus. A única forma de “determinar” prende-se necessariamente aos manuscritos e a versões fidedignas aos textos originais. Quanto à pronúncia correta, não há como determinar como os judeus pronunciavam. Na verdade, tornou-se um nome impronunciável pelos hebreus desde o período intertestamentário, pois, conforme ordem divina proibia-se tomar o nome do Senhor (YHWH) em vão. Assim temiam, e ainda temem pronunciar o tetragrama. Em seu lugar, substituem-no por Adonai (Senhor) ou “O Nome” ou “há’Shem" em suas conversas informais usando o idioma hebraico.
O “Tetragrama Sagrado" é escrito apenas por quatro consoantes: yod, he, vav, he (o alfabeto hebraico não possuía vogal). YHWH é citado 5321 vezes, sendo dos textos mais antigos a origem dos livros do Velho Testamento. Muitos cristãos fazem uso da pronúncia JEHOVAH (Jeová) para o tetragrama YHWH. Não podemos dizer que o nome Jeová seja a forma incorreta ou correta de pronúncia, mas é a mais aceitável. Os mais “catedráticos” consideram como forma correta pronunciar YAHWEH (Iavé - Javé) ou então YAHWO (Iavô).

NOMES COMPOSTOS
Utilizados para revelar aspectos a mais do caráter de Deus; mais alguns adjetivos de Deus.
  • YHWH Elohim : Criador de todas as coisas;
  • YHWH Jireh : O Senhor proverá – Deus proverá.
Foi o que disse Abraão a Isaque sendo interrogado por ele quanto ao cordeiro para ser sacrificado:
“Respondeu Abraão: Deus proverá para si o cordeiro para o holocausto, meu filho. E os dois iam caminhando juntos” (Gn 22:8).
Também foi o nome que deu Abraão após a providência do Senhor para aquele sacrifício, não tendo ele que sacrificar Isaque, seu filho:
“Pelo que chamou Abraão àquele lugar Jeová-Jiré; donde se diz até o dia de hoje: No monte do Senhor se proverá” (Gn 22:14).
E tal como aconteceu com Abraão, também Deus proveu para nós, pecadores, um Cordeiro, Jesus! (Jo 1:29).
  • YHWH Rafa : O Senhor Que Te Sara (Ex 15-26);
  • YHWH Nissi : O Senhor é a Minha Bandeira. Moisés assim chamou o altar que edificou (Ex 17:15);
  • YHWH Shalom : O Senhor é Paz (Jz 6:24).
Hoje pregamos ao mundo a Paz que é o Senhor; a Paz que só o Senhor pode trazer aos corações aflitos. Foi o nome dado por Gideão ao altar que edificou.
  • YHWH Raah : O Senhor é o Meu Pastor (Sl 23:1).
Acredito que não haja quem não conheça essa passagem nas Escrituras. Mas, para podermos clarear nossa mente vamos ao Salmo escrito por Davi “O Senhor é o meu pastor; nada me faltará”.
E como é bom saber que o nosso Pastor é o Senhor; Quão bom é saber que à frente das nossas veredas segue o Senhor tirando os espinhos, e, melhor ainda; quão bom é saber que as veredas eternas prometidas pelo Senhor são maravilhosas.
  • YHWH Tsidikenu : Senhor Justiça Nossa (Jr 23:6).
Jeremias profetizando a respeito de Judá disse: “Nos seus dias Judá será salvo, e Israel habitará seguro; e este é o nome de que será chamado: O Senhor Justiça Nossa”.
  • YHWH Sabaoth : O Senhor dos Exércitos (Sl 24:10).
Todo exército tem um General; ele cuida, ele dá ordens, ele vai adiante dos seus soldados, e nós temos ao Senhor dos Exércitos que comando miríades de anjos celestiais que estão sempre ao redor e à disposição daqueles que O buscam.
  • YHWH Shammah : O Senhor Está Ali (Ez 48:35).
A divisão das tribos. “Dezoito mil côvados terá ao redor; e o nome da cidade desde aquele dia será Jeová- Shammah”.

NOVO TESTAMENTO
A Septuaginta foi a primeira tradução Bíblica hebraica para o grego, isso porque havia uma clima de desacordo entre os Judeus e os gregos. Os Judeus sempre foram monoteístas, mas os gregos existiam vários deuses. O Panteão grego, que, etimologicamente, deriva de pan (todo) e theos (deus), literalmente significando o templo dedicado a todos os deuses. Aristóteles, o filósofo, para demonstrar a fragilidade da religião grega, afirmou: "O homem fez os deuses à sua semelhança e lhes deu seus costumes".
É devido a Septuaginta que notamos a demonstração de zelo pela sua religião, e, é por meio dela que descobrimos os equivalentes gregos dos nomes usados para Deus no Antigo Testamento, como El, Elohim, Eluon e YAWH.
  • Theos : Deus
O nome mais comum utilizado no Novo Testamento é Theos. Assim como as palavras hebraicas El, Elohim, Eloah no Antigo Testamento, Theos no Novo Testamento pode significar "Deus" ou "deuses".
"No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus (Theos), e o Verbo era Deus (Theos)" (Jo 1:1).
  • Kurios : Senhor
Podemos notar que no Novo Testamento a tradução na Septuaginta de ambas as palavras Adonai e do nome impronunciável YHWH foi pela palavra grega Kurios (Kuriov), que significa "Senhor". Kurios/Adonai traz a idéia básica da soberania de Deus, da suprema posição do Criador, em todo o Universo que criou. E mais, tanto o Pai (Deus) como o Filho (Jesus) são chamados pelo termo grego Kurios.
"E tocou o sétimo anjo a sua trombeta, e houve no céu grandes vozes, que diziam: O reino do mundo passou a ser de nosso Senhor e do seu Cristo, e ele reinará pelos séculos dos séculos" (Ap 11:15).
"... e toda língua confesse que Jesus Cristo é Senhor (Kurios) para glória de Deus Pai (Pater)" (Fp 2:11).
"Portanto vos quero fazer compreender que ninguém, falando pelo Espírito de Deus, diz: Jesus é anátema! e ninguém pode dizer: Jesus é o Senhor! (Kurios) senão pelo Espírito Santo" (I Cor 12:3).
  • Pater : Pai
"Portanto, orai vós deste modo: Pai (Pater) nosso que estás nos céus, santificado seja o teu nome" (Mt 6:9).
O Cristão fala de muitos privilégios, mas acredito que o maior deles seria chamar ao nosso grandioso Deus de Pai, o "Pai Celestial". Sabe por quê? Os judeus afirmam que Deus jamais teve um filho, portanto não reconhece Cristo como o Unigênito de Deus. O islamismo rejeita a idéia de Deus ser Pai. A grande diferença entre as três grandes religiões monoteístas, que torna um privilégio único, é que somente nós os cristãos, ou seja, o cristianismo é que mantém um relacionamento de Pai para filho com seu Deus.

Algumas Particularidades Bíblicas
O nome Jesus vem do hebraico (Yehoshua). "Josué", que significa "Iavé é salvação", era chamado de Oshea ben Num, que significa "Oséias filho de Num", podemos comprovar pela Palavra de Deus "Da tribo de Efraim, Oséias, filho de Num" (Nm 13:8).

A Septuaginta (tradução grega do Velho Testamento) usou o nome Iesus para Yehoshua; Portanto Iesus é a forma grega do nome Yehoshua.

Depois do cativeiro de Babilônia, o nome Yehoshua era conhecido por Yeshua. "E toda a congregação dos que voltaram do cativeiro fizeram cabanas, e habitaram nas cabanas, porque nunca fizeram assim os filhos de Israel, desde os dias de Josué, filho de Num, até àquele dia; e houve mui grande alegria" (Ne 8:17).

Josué era chamado Yeshua ben Num. Yeshua é o nome hebraico para Jesus, até os dias de hoje em Israel. Isso pode ser comprovado em qualquer exemplar do Novo Testamento hebraico.

Sabemos que nome não se deve traduzir, mas sim transliterar conforme a natureza de cada língua. Por exemplo: Os nomes de Eva, David e outros que em nosso idioma levam a letra "v" em hebraico o "v" é substituído por "u", aparecendo nos textos como Eua e Dauid. A letra beta "b", na antiguidade, No grego moderno é "v". Hoje se escreve Dabid, para David, e Eba para Eva.

Ainda assim, existem nomes que permanecem inalteráveis em outras línguas, mas não em sua maioria. Por exemplo, o nome João, é Yohanan ou Yehohanan (decomposição Yeh, Yo, Yaho, contração de Yahweh, Javé (Deus) e Hanan (compadecer-se), tendo o sentido de Deus teve misericórdia, Deus se compadeceu na língua hebraica; Ioannes em grego; John em Inglês; Jean em francês; Giovani em italiano, Juan em espanhol, Johannes em alemão, e assim por diante, isso ocorre com vários nomes.

Há nomes que mudam substancialmente de um idioma para outro. Lázaro em grego é Eleazar em hebraico. Elizabete é a forma hebraica do nome Isabel. O argumento, portanto, de que o nome deve ser preservado na forma original, em todas as línguas, é contraditório não havendo assim muito apoio bíblico.

José Silva [ Bíblias de Estudo ]
http://www.verdade-viva.net/nomes-de-deus-sumario.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário